Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Morreu Manuel Tainha

O premiado arquiteto Manuel Tainha, com uma carreira de mais meio século, morreu. Tinha 90 anos.

O arquiteto Manuel Tainha, distinguido com os prémios AICA e Valmor, morreu na segunda-feira aos 90 anos em Lisboa, informou hoje a Ordem dos Arquitetos.

O corpo do arquiteto estará em câmara ardente a partir das 17h de hoje na Basílica da Estrela, em Lisboa, e o funeral realiza-se quarta-feira, embora não tenha sido divulgado o local.

"É uma perda irreparável para a arquitetura portuguesa, pelo trabalho de projeto, pelas obras que deixa, entre as mais importantes do século XX em Portugal, obras em contra-corrente e inovadoras em relação ao que era mais comum", disse à agência Lusa o presidente da Ordem dos Arquitetos, João Belo Rodeia.

Entre os edifícios assinados por Manuel Tainha contam-se a Pousada de Santa Bárbara (Oliveira do Hospital), a Escola Agro-Industrial de Grândola, as Torres dos Olivais, em Lisboa, e a Faculdade de Psicologia, em Lisboa, que lhe valeu o prémio Valmor em 1991.

Nascido em Paço d'Arcos em 1922, Manuel Tainha licenciou-se em 1950 em arquitetura. A par do trabalho de projeto, destacou-se como professor e no ensaio crítico, "num país em que os arquitetos não gostam muito de escrever", sublinhou João Belo Rodeia.

Contemporâneo do arquiteto Nuno Teotónio Pereira, Manuel Tainha foi o fundador da revista Binário em 1958 e, pelo conjunto da atividade crítica, recebeu em 2002 o Prémio Jean Tschumi da União Internacional dos Arquitetos.

Em 2000, foi agraciado com a Ordem do Infante D. Henrique e foi-lhe dedicada uma exposição retrospetiva na Casa da Cerca, em Almada. Em 2007, doou o seu espólio à Fundação Calouste Gulbenkian, reunindo mais de 50 anos de trabalho na arquitetura.

Em comunicado, o secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, lamentou a morte de um arquiteto que era "indiscutivelmente um dos maiores mestres da arquitetura portuguesa".

Para Manuel Tainha, "o moderno e o popular nunca chocaram, antes se encontraram sempre num diálogo harmónico", disse o secretário de Estado da Cultura na mesma nota de pesar.