Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Mirandela: Testemunhos confirmam agressões a Leandro

Alunos, professores e familiares de Leandro (jovem de Mirandela que se terá suicidado, atirando-se ao Tua) ouvidos em inquérito judicial confirmam episódios de violência escolar.

<#comment comment="[if gte mso 9]> Normal 0 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <#comment comment="[if gte mso 9]> <#comment comment=" /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;} "> <#comment comment="[if gte mso 10]>

Os testemunhos recolhidos pelas autoridades confirmam a existência de agressões no caso de Mirandela, não falam em suicídio e descrevem o Leandro como "uma criança reguila", disse hoje à Lusa fonte ligada ao processo. 

A criança de 12 anos atirou-se ao rio Tua, terça feira, com alguns relatos a indicarem que se tratou de suicídio por alegada violência na escola e o caso a gerar um debate nacional sobre a problemática do bullying (agressões físicas e/ou psicológicas continuadas sobre a mesma pessoa).

De acordo com a fonte, as versões recolhidas no inquérito judicial em curso, nomeadamente de alunos, professores e familiares, "coincidem no essencial" com o que tem sido veiculado na Comunicação Social relativamente ao percurso da criança no dia do sucedido. 

Agredido e a chorar

Leandro terá sido agredido por um aluno mais velho de "17/18 anos", que frequenta as turmas de Educação e Formação na mesma escola. Colegas relatam que o viram a chorar, enquanto jogavam à bola, e a sair do recinto da escola dizendo que "ia atirar-se ao rio". "Os amigos pensam que, de facto, ele não se queria afogar. Ele nunca disse que se queria matar", relatou a fonte. 

Dos testemunhos recolhidos, conclui-se ainda que a criança "é (era) interveniente em muitas zaragatas, muitas vezes provocadas pelo próprio, que, nas situações de agressões, resistia e não demonstrava medo" 

As versões indicam também que "ele é uma criança reguila, não é apático" e "tem alguns problemas de indisciplina". "Há disciplinas, História e Ciências, em que é mal educado com os professores", acrescentam. 

Os testemunhos relatam que "às vezes faltava a aulas, como aconteceu no dia dos factos, em que não foi á última aula da manhã". Os testemunhos recolhidos indicam ainda que devia "haver por parte da escola um reforço do controlo e das medidas de apoio e vigilância". 

Escola ainda em silêncio

O inquérito judicial está a cargo do Ministério Público, que delegou na PSP de Mirandela a sua condução, nomeadamente a audição de testemunhas, cabendo ao procurador avaliar as diligências. 

A escola Luciano Cordeiro continua sem prestar esclarecimentos públicos sobre o sucedido, mas abriu também um inquérito interno que se espera "esteja concluído hoje e seja entregue amanhã (terça feira) à Direcção Regional de Educação do Norte (DREN), segundo disse à Lusa o gabinete de imprensa do Ministério da Educação. 

As autoridades começaram por colocar a hipótese de "acidente" na queda do jovem ao rio, tendo em conta indicadores como o facto de ter tirado a roupa antes de entrar na água. 

Colegas e familiares associaram o caso à violência na escola e nos últimos dias várias pais têm denunciado publicamente outros alegados casos, falando mesmo de bullying e da "inação da escola". 

Queixa em 2008 confirmada pela polícia

O comandante distrital da PSP de Bragança, Amândio Correia, confirmou hoje à Lusa que "de facto, há uma queixa" de 2008 relativamente a uma alegada agressão sofrida pela criança em causa, que a polícia comunicou ao Ministério Público, naquela ocasião. O comandante desconhece "qual o resultado" dessa participação. 

A PSP de Mirandela registou também no ano letivo anterior, de 2008/2009, "três ocorrências em que foram reportadas agressões e outras tantas já neste ano letivo, a que se soma ainda o furto de um telemóvel". 

"São toda situações nas imediações, no exterior das escolas", esclareceu o comandante, referindo-se aos estabelecimentos de ensino que constituem o agrupamento Luciano Cordeiro de Mirandela. 

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

O Expresso apoia e vai adoptar o novo Acordo Ortográfico. Do nosso ponto de vista, as novas normas não afectam - antes contribuem - para a clarificação da língua portuguesa.

Por outro lado, não consideramos a ideia de que a ortografia afecta a fonética, mas sim o contrário. O facto de a partir de 1911 a palavra phleugma se passar a escrever fleugma e, já depois, fleuma não trouxe alterações ao modo como é pronunciada. Assim como pharmacia ou philosophia.

O facto de a agência Lusa adoptar o Acordo Ortográfico, enquanto o Expresso, por razões técnicas (correctores e programas informáticos de edição) ainda não o fez, leva a que neste sítio na Internet coexistam as ortografias pré-acordo e pós-acordo.

Pedimos, pois, a compreensão dos nossos leitores.