Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Ministro rejeita origem terrorista no acidente do avião na Líbia

O ministro dos Transportes líbio rejeitou a hipótese de um ato terrorista ter causado o acidente do avião que se despenhou no aeroporto de Tripoli e do qual resultaram mais de 100 mortos. Apenas um rapaz de 8 anos sobreviveu.

O ministro dos Transportes líbio rejeitou hoje a hipótese de um ato terrorista ter estado na origem do acidente de um Airbus A330 que se despenhou no aeroporto de Tripoli e do qual resultaram mais de cem mortos.      "Descartamos de forma definitiva a hipótese de que o acidente seja resultado de um ato terrorista", declarou o ministro, Mohamed Zidane, durante uma conferência de imprensa.      Um rapaz holandês de oito anos é o único sobrevivente do acidente do avião da transportadora líbia Al Afriqiyah que hoje se despenhou no aeroporto de Tripoli com 104 pessoas a bordo, anunciaram fontes da segurança.      O rapaz foi transportado para um hospital perto de Tripoli, segundo a mesma fonte, que não precisou o estado de saúde do sobrevivente.      Uma fonte dos serviços de segurança tinha anunciado a morte de "94 passageiros e 11 membros da tripulação" que estavam a bordo do aparelho proveniente de Joanesburgo, na África do Sul.   

Avião despenhou-se "a um metro da pista" 

Mas, uma fonte da companhia líbia Al Afriqiyah anunciou que segundo as informações de que dispunha "93 passageiros e onze membros da tripulação" estavam a bordo, precisando que não dispunha de qualquer informação relativa a "feridos ou sobreviventes".      A representação sul-africana da companhia líbia Al Afriqiyah confirmou a queda de um dos seus aparelhos quando aterrava em Tripoli proveniente de Joanesburgo, precisando que se despenhou "a um metro da pista".      Anteriormente, uma fonte dos serviços de segurança tinha informado que o acidente tinha ocorrido às 06:00 locais (05:00 em Lisboa) e as condições meteorológicas eram boas no momento do desastre.      Entretanto, a televisão estatal líbia mostrou hoje os restos do avião que ficou totalmente destruído.      

Airbus A330 totalmente destruído

A EFE refere que pelas imagens transmitidas em direto, o avião não parece ter-se despenhado no aeroporto, mas em contrapartida numa zona com várias árvores e arbustos nos arredores.      O aparelho aparece nas imagens totalmente destruído com milhares de pequenos fragmentos espalhados num raio de várias dezenas de metros, ainda que sem sinais de carbonização ou outros que indiquem uma possível explosão antes da aterragem.      Numerosos membros das equipas de socorro e emergência estão na zona.   Segundo fontes líbias, o avião devia fazer escala em Tripoli e continuar viagem para Londres pelo que se acredita que há passageiros de nacionalidade britânica entre as vítimas mortais, além de líbios e sul-africanos.      A companhia aérea líbia Al Afriqiyah foi criada em 2001 com o objetivo de ligar o continente africano especialmente à Europa, à Ásia e ao Médio Oriente.   

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.