Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Maria do Carmo Fonseca ganha Prémio Pessoa

É a primeira mulher cientista a receber individualmente o Prémio Pessoa, o melhor galardão atribuído em Portugal da área da Cultura, das Artes e da Ciência, numa iniciativa conjunta do Expresso e da Caixa Geral de Depósitos. Maria do Carmo Fonseca dirige o Instituto de Medicina Molecular.

Rosa Pedroso Lima (www.expresso.pt)

Maria do Carmo Fonseca, 51 anos, professora catedrática da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e diretora do Instituto de Medicina Molecular. Esta é a biografia resumida da vencedora em 2010 do Prémio Pessoa, que este ano voltou a dar destaque a trabalhos realizados no campo da Ciência. A cientista junta-se, assim, à lista de vencedores desta área, que inclui António Damásio e a mulher Hanna e Manuel Sobrinho Simões.

Detentora de vários prémios científicos internacionais - como o Dupont de Ciência, o Sala-Trepat e o Pfizer - Maria do Carmo Fonseca tornou-se hoje a primeira mulher cientista distinguida com por este júri e vencedora do prémio no montante de 60 mil euros. "A sua contribuição original" na investigação científica, assim como as "cinco publicações em revistas de grande prestígio internacional" alcançadas este ano, foram argumentos decisivos para a decisão do júri.

Júri destaca trabalho na "compreensão de doenças causadas por erros da natureza"

O trabalho de Maria do Carmo Fonseca em prol da descodificação da informação genética das células humanas, tendo como "objetivo final a melhor compreensão de doenças causadas por erros da natureza" foi o aspeto mais destacado pelo júri.

Em conferência de imprensa realizada ao início da tarde no Palácio de Seteais, Francisco Pinto Balsemão, presidente do júri do Prémio Pessoa, salientou ainda o trabalho de Maria do Carmo Fonseca na constituição e na captação de interesse de uma equipa "de jovens investigadores, que constituem a garantia de uma excelência" e permitem o prosseguimento futuro deste trabalho de investigação científica.

Reunido em Seteais, o Júri do Prémio Pessoa 2010, constituído por Francisco Pinto Balsemão, (Presidente), Fernando Faria de Oliveira (Vice-Presidente), António Barreto, Clara Ferreira Alves, Diogo Lucena, Eduardo Souto de Moura, João José Fraústo da Silva, João Lobo Antunes, José Luís Porfírio, Maria de Sousa, Mário Soares, Miguel Veiga, Rui Magalhães Baião e Rui Vieira Nery, decidiu atribuir o Prémio Pessoa 2010 a Maria do Carmo Fonseca.

Maria do Carmo Fonseca é Professora Catedrática e Diretora do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina de Lisboa. A sua contribuição original, que inclui cinco publicações durante o ano de 2010 em revistas de grande prestígio internacional, consiste na identificação dos mecanismos de transmissão de mensagens no interior da célula e tem como objetivo final a melhor compreensão de doenças causadas por erros da natureza que afetam esse processo. De um modo simples, pode descrever-se a sua investigação como o estudo do genoma em ação, pela visualização de fenómenos biológicos, por meio de técnicas muito sofisticadas de microscopia.

A cultura de rigor na prática científica que promove no Instituto de Medicina Molecular tem sido determinante na atração de uma plêiade de jovens investigadores, muitos dos quais doutorados fora do país, que constituem a garantia de uma excelência que se tem afirmado cada vez mais nos últimos anos.

Ao conceder este Prémio a Maria do Carmo Fonseca, o Júri quis reconhecer também a importância da ciência no desenvolvimento do país e afirmar a sua confiança no futuro da investigação básica em Portugal.