Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Maré negra: BP tenta cimentar poços submersos

Imagem vídeo mostra o petróleo que jorra de um dos poços submersos no Golfo do México

BP, Golfo do México, maré negra

Prossegue a operação da BP para tentar deter a fuga de petróleo que está a causar a maré negra no Golfo do México, nunca antes tentada a uma profundidade de 1500 metros.

O grupo petrolífero britânico BP continuava hoje a tentar cimentar os poços de petróleo submersos que estão na origem da maré negra sem precedentes no Golfo do México.  

As operações de colmatagem prosseguem. Não há qualquer acontecimento importante a assinalar, indica a BP em comunicado.  

Entretanto, 125 barcos de pesca que participavam nas operações de limpeza da maré negra ao largo do estado de Luisiana (sul dos Estados Unidos) regressaram a terra depois de quatro tripulantes terem adoecido, disseram hoje responsáveis.

Os tripulantes de três barcos afirmaram sofrer de naúseas, vertigens, dores de cabeça e no peito na quarta feira à tarde (hora local), acrescentou a guarda-costeira norte-americana, em comunicado.  

"Nenhum outro (membro da tripulação) apresentou sintomas, mas tomámos esta decisão por medida de precaução", declarou o chefe da guarda costeira local, Robinson Cox.  

Operação inédita

A operação da BP, batizada top kill (em inglês), começou na quarta feira às 13h locais (19h em Lisboa), pouco depois da luz verde dada pela guarda-costeira norte-americana. O procedimento consiste em injetar, a partir de um barco, uma solução composta por água, matérias sólidas e um mineral, barita, nas duas condutas que levam à válvula anti-explosão dos poços, onde se encontra a fuga de petróleo e gás, e depois selar o poço com cimento.  

Este tipo de operação, que deverá prolongar-se por dois dias, nunca foi tentada a esta profundidade, sob 1500 metros de água. 

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, dará hoje uma conferência de imprensa sobre a maré negra e na sexta feira desloca-se ao Luisiana, o estado mais atingido pela catástrofe.  

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***