Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Mais de 200 socorristas soterrados

Um desabamento de terras deixou mais de 200 socorristas soterrados. O incidente ocorre numa altura em que a China inicia um luto de três dias pelas vítimas do sismo de 12 de Maio.

Um novo incidente volta a causar vítimas na China. Mais de 200 socorristas encontram-se soterrados, na província de Sichuan, na sequência de um desabamento de terra, indicou a agência de notícias Nova China, que não forneceu mais informações sobre o caso.

A China iniciou hoje um período de três dias de luto pelo o sismo de 12 de Maio que provocou mais de 71 000 mortos, desaparecidos e soterrados, segundo o último balanço das autoridades.

Ao nascer do sol, como é de tradição, a bandeira vermelha com as cinco estrelas amarelas foi içada por soldados na Praça Tiananmen, diante do mausoléu de Mão Tsé-tung, e logo baixada até meia-haste.

A cena repetiu-se por todo o país, na fachada dos edifícios públicos, incluindo as regiões autónomas especiais de Hong Kong e Macau.

Às 14h28 (5h28 de Lisboa), hora a que se deu o sismo, foram observados três minutos de silêncio pela população e as sirenes e buzinas ouvir-se-ão por todo o país.

A população de Macau respondeu ao apelo do Governo para três minutos de silêncio, com o toque das buzinas de carros e motos bem como com a paragem nos serviços governamentais e algumas empresas.

Enquanto na rua, tal como tinha sido solicitado pelo Executivo, as buzinas de automóveis, motos e autocarros não se calaram durante os cerca de três minutos do silêncio oficial, no mar também os navios tocaram as suas sirenes em homenagem às vítimas do sismo de segunda-feira na província continental de Sichuan.

Com as bandeiras a meia-haste devido ao luto de três dias que hoje teve início, Macau aderiu à homenagem às vítimas, sendo visível nas ruas muitos transeuntes parados, a mesma atitude de muitos táxis que, vazios, pararam junto às bermas para cumprir o apelo do Executivo.

Entretanto estão a ser cancelados diversos eventos previstos até quarta-feira como as actuações integradas no Festival de Artes de Macau que decorre até ao final do mês no território.