Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Mãe de Sara condenada a sete anos de prisão

Foi conhecida esta tarde a sentença da mulher que pontapeou a filha de dois anos, provocando-lhe a morte.

Maria Luiza Rolim

O Tribunal Judicial de Monção condenou esta quarta-feira a sete anos de prisão a mulher acusada de matar a filha de dois anos a pontapé.

A menina, Sara, morreu a 27 de Dezembro de 2006 em Mazedo, Monção, vítima de um forte pontapé no fígado, desferido pela mãe, depois de a criança ter entornado na roupa o leite que estava a tomar pelo biberão.

MP pedia 16 anos por homicídio qualificado.

Durante o julgamento, a mulher confessou ter pontapeado a filha "de raspão, com as pontas dos dedos" no abdómen, mas que a sua intenção era acertar-lhe nas nádegas, o que acabou por não acontecer porque a Sara "se virou de repente".  Na primeira fase do julgamento, porém, a mãe alegara que as lesões se ficaram a dever a duas quedas que a criança teria dado nas escadas do prédio onde vivia.

Recorde-se que, nas alegações finais, o Ministério Público (MP) pediu 16 anos de prisão para a arguida, imputando-lhe o crime de homicídio qualificado com dolo eventual.

Segundo o magistrado do MP, a mãe, de 25 anos, não terá tido intenção de matar a filha, mas "tinha consciência" de que ao desferir-lhe "dois pontapés" no abdómen, uma zona vital, lhe poderia causar "lesões irreversíveis" e, eventualmente, a morte.

A arguida contou ainda com várias atenuantes como as carências do seu agregado familiar, a sua imaturidade, os quatro filhos que tinha a seu cargo e a "ausência" do marido, que saía de casa de manhã bem cedo e regressava já de noite.