Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

José Faria diz ter informações sobre assassínio do irmão de Ferreira Torres

José Faria garante que tem informações de pormenores do assassínio do irmão de Avelino Ferreira Torres, em 1979, e que as vai contar ao Ministério Público.

José Faria, a testemunha-chave no processo contra Avelino Ferreira Torres que decorre no Tribunal do Marco de Canaveses, disse hoje à Lusa que vai contar ao Ministério Público (MP) um encontro que teve com alguém que sabe pormenores do assassínio do irmão do ex-autarca, em 1979.

"Vou falar de uma deslocação ao Algarve para ter com umas pessoas que iam para o Brasil onde se encontrariam com o presumível assassino do irmão [de Ferreira Torres], que estava lá", salientou, sem adiantar mais pormenores, porque pretende "falar primeiro" com o Ministério Público sobre este assunto.

Contactado pela Lusa, Avelino Ferreira Torres negou as acusações relativas à viagem alegadamente relacionada com a morte do seu irmão.

"José Faria é louco", disse.

"É tudo mentira, tudo mentira", frisou Ferreira Torres, acrescentando não estar preocupado que o seu ex-motorista conte este assunto ao Ministério Público.

"Ele que conte o que quiser, as pessoas não são assim tão burras que acreditem em tudo", afirmou.

Joaquim Ferreira Torres foi assassinado a 21 de Agosto de 1979, no lugar do Barro Branco, em Paredes, na estrada Paços de Ferreira/Paredes.

O empresário, que conduzia um Porsche, foi emboscado numa curva da estrada, tendo sido atingido por várias balas no tronco e na cabeça.

Presidente da Câmara de Murça, antes do 25 de Abril, Joaquim Ferreira Torres estava a ser investigado pela PJ por alegadas ligações à rede bombista.

José Faria disse que vai também - para corroborar a sua ligação próxima a Ferreira Torres - contar ao tribunal "as viagens que fez de madrugada para Lisboa para ir ter com um certo senhor".

No depoimento ao tribunal, a testemunha, que foi motorista do ex-presidente durante quatro anos, promete divulgar outros assuntos relacionados com a autarquia do Marco de Canaveses, ao tempo em que era liderada por Avelino Ferreira Torres.

"Sobre a vida do Avelino [Ferreira Torres] não haverá quem saiba mais do que eu, nem sequer a mulher e os filhos", disse José Faria.