Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

James Watson demite-se

Uma semana e meia depois de ter dito que os negros são menos inteligentes que os brancos, o investigador que descobriu a estrutura molecular do ADN abandonou o cargo que ocupava há 39 anos.

Pedro Chaveca

Depois dos comentários racistas de dia 14 de Outubro em que afirmou que os negros são menos inteligentes do que os brancos o geneticista James Watson demitiu-se esta quinta-feira do conselho de administração do Laboratório de Cold Spring Harbor (LCSH) nos Estados Unidos, de que foi presidente até 2003.

James Watson, 79 anos, entrou para a direcção de Cold Spring Harbor em 1968 e embora até há pouco mais de uma semana ninguém previsse este desfecho para uma carreira repleta de sucessos, o veterano cientista e vencedor do Prémio Nobel da Medicina em 1962 não resistiu às próprias declarações.

Embora no documento de despedida o veterano cientista nunca se refira aos comentários que fez ao jornal britânico "The Sunday Times", a carga emocional é evidente em todo o texto: "Mais perto dos 80 do que dos 79 anos, a minha liderança já está evidentemente ultrapassada. Contudo, as circunstâncias em que esta transferência está a decorrer nunca foram as que eu antecipei ou desejei".

Watson, filho do "melting pot" americano, agradece ainda às raízes irlandesas e escocesas que sempre lhe indicaram o caminho da razão e a busca permanente de justiça social.

O "Pai do ADN" não será esquecido

Da direcção do LCSH, nem uma palavra sobre o incidente que terá precipitado a demissão de Watson e embora o cientista estivesse suspenso de funções administrativas, as palavras são só de apreço e agradecimento por alguém que durante quatro décadas deu parte da vida para "transformar um pequeno laboratório numa das maiores instituições de pesquisa do mundo".

Eduardo Mestre, presidente do Conselho de Administração do LCSH, não poupou nos elogios: "O seu legado como vencedor do Prémio Nobel em 1962, quando foi distinguido por descobrir a estrutura [molecular] do ADN vai continuar a influenciar as investigações biomédicas durante muito tempo. O Conselho respeita a sua decisão de se retirar".