Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

"Golden shares existem para ser utilizadas se for caso disso"

José Sócrates garante que se for necessário não hesitará em usar a golden share, acções preferenciais do Estado, para manter a PT com "dimensão e escala".

Filipe Santos Costa, em São Paulo (www.expresso.pt)

José Sócrates admitiu hoje que o Governo português não hesitará em usar a golden share que tem na PT para travar a ameaça de OPA hostil da espanhola Telefónica.

"As golden shares existem para ser utilizadas, se for caso disso. Se for caso, com certeza, acha que alguém hesitará?", disse o primeiro-ministro, em São Paulo, à margem de uma reunião com empresários brasileiros.

O chefe do Governo reafirmou a posição do executivo de Lisboa na defesa da PT perante as ameaças da Telefónica, interessada em comprar a participação portuguesa na Vivo, a maior operadora móvel do Brasil. A PT é estratégica para Portugal, defendeu José Sócrates, e é-o com a dimensão internacional que tem, insistiu.

PT não deve abrir mão da Vivo

"Para Portugal a PT é uma empresa estratégica, e é por isso, aliás, que temos uma golden share. E é uma empresa estratégica se for uma empresa grande, se tiver uma ambição de participar na economia global, de estar presente em vários continentes, como está. E queremos que continue assim, porque só continuando assim, com dimensão e com escala, é que ela fomenta em Portugal os projectos que são essenciais na área da inovação, da engenharia industrial, da ciência e desenvolvimento", disse José Sócrates.

A mensagem não podia ser mais clara: a PT não deve abrir mão da sua participação na Vivo. "A importância que PT tem para o nosso desenvolvimento resulta da sua dimensão e da sua escala, este é o mais importante contributo que a PT pode dar ao desenvolvimento do País", insistiu o chefe do Governo.

José Sócrates garantiu ainda que não discutiu esta matéria com o seu homólogo espanhol, José Luis Zapatero. O primeiro-ministro espanhol devia encontrar-se amanhã com José Sócrates e Lula da Silva, no Rio de Janeiro, à margem do Fórum Aliança das Civilizações, uma iniciativa das Nações Unidas.

Segundo se soube hoje, José Luis Zapatero já não irá ao Brasil devido à situação política em Espanha, onde acaba de ser aprovado o pacote de austeridade proposto pelo Governo. O encontro trilateral passou, por isso, a bilateral, entre Sócrates e Lula.