Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Ícaro reinventado

Será um avião? Será um planador? É um pouco de ambos e pretende voar apenas com energia solar, abandonando o combustível. Conheça o HB-SAI.

Bertrand Piccard podia ser protagonista de um romance de Júlio Verne, mas a história que este aventureiro suíço pretende reescrever é outra: a de Ícaro, o jovem que, na mitologia grega, ficou conhecido por ter sucumbido ao fascínio do Sol. Atraído pela beleza e magnitude do astro, Ícaro ignorou os avisos do pai e aproximou-se demasiado, derretendo a cera que segurava a suas asas artificiais e precipitando-se no mar Egeu.

Este é um destino que Piccard, de 49 anos, quererá certamente evitar quando, dentro de quatro anos, tentar completar a volta ao Mundo num avião propulsionado apenas por energia solar. É muito mais que um desafio tecnológico e científico. É, em grande medida, um desafio ambiental, pois o sucesso do projecto seria um passo importante para reduzir o uso de combustível na aviação. Estaria aberto o caminho para a era do avião ecológico.

Uma utopia? Piccard e os seus apoiantes - que vão desde "Buzz" Aldrin, membro da primeira missão lunar, ao escritor brasileiro Paulo Coelho - acreditam que não e querem prová-lo. O primeiro passo será dado a partir das 11h00 desta segunda-feira, com a divulgação, em Dübendorf, nos arredores de Zurique, na Suíça, do HB-SAI, o protótipo do aparelho que, em 2009, irá tentar manter-se no ar durante 36 horas. Será mais uma etapa rumo à meta final definida pelo aventureiro suíço: dar a volta ao mundo a bordo de um avião não poluente, alimentado apenas por energia solar.

61 metros de envergadura, apenas 1500 quilos de peso

Desenvolver um avião solar capaz de manter a autonomia de voo mesmo depois do pôr-do-sol é um desafio exigente. Os actuais aviões solares não foram concebidos para armazenar energia, pelo que são obrigados a aterrar após algumas horas de voo, quando a luz solar se torna insuficiente (devido ao céu nublado ou ao cair da noite).

Não será esse o caso do HB-SAI, garantem os seus promotores, que reuniram uma equipa de 50 trabalhadores e mais de uma centena de especialistas para levar a cabo aquela que esperam vir a confirmar-se como uma obra de engenharia notável. Com umas enormes asas de 61 metros e uns escassos 1500 quilos de peso, o aparelho é uma espécie de meio-termo entre um grande avião de passageiros e um planador.

Toda a concepção do protótipo, da forma ao seu peso, foi pensada no sentido da maior eficiência energética. O pormenor não é despiciendo. Só um avião muito leve e aerodinâmico pode voar suficientemente devagar (45 km/h) com a escassa energia disponível durante a noite.

Construído num composto fibra de carbono e favo de abelha, o aparelho integra um total de 200 m2 de células fotovoltáicas, que cobrem, sobretudo, as suas asas. Sendo a fase de voo nocturno a mais crítica (pela ausência de luz solar), um dos aspectos principais do projecto reside nas baterias que irão acumular a energia necessária. Pesam 400 quilos, ou seja, mais de um quarto da massa total do avião, o que impôs uma redução drástica do peso da restante estrutura.

Volta ao Mundo em 2011

A construção do HB-SAI arrancou em Junho e deverá estar concluída no próximo Verão. Se o calendário for cumprido, os testes com o aparelho começarão no Outono de 2008, permitindo a realização de um voo de 36 horas em 2009. Depois, será desenvolvido um outro avião para tentar realizar vários ciclos de voo de 24 horas, levando ao primeiro voo solar transatlântico em 2011 e, depois, à circum-navegação do planeta.

A aeronave poderá levar apenas um passageiro de cada vez e deverá fazer cinco escalas, uma em cada continente, para apresentar a iniciativa ao público e às autoridades políticas e científicas. Bryan Jones, que, com Piccard, deu em 1999 a volta ao Mundo em balão sem realizar escalas, e o engenheiro e piloto de caças André Borschberg, director executivo do projecto, irão alternar com o suíço nos comandos do avião. Cada etapa demorará quatro a cinco dias, considerado o tempo máximo que um piloto pode aguentar.

O projecto representa um investimento de 70 milhões de euros, 44 dos quais dedicados ao desenvolvimento do primeiro protótipo.

  • Um impulso solar para um mundo melhor

    O suíço Bertrand Piccard, o homem que realizou a primeira volta ao Mundo num balão sem efectuar escalas, quer repetir a circum-navegação ao planeta num avião solar. O protótipo é apresentado segunda-feira, na Suíça, com transmissão em directo no site do Expresso.