Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Homem reencontra o pai cinco anos depois de o ter cremado

O corpo de John Delaney foi cremado em 2003, após ter sido identificado pelas autoridades de Manchester. Cinco anos depois o filho entrou em estado de choque ao ver o pai vivo num programa de televisão.

Cinco anos depois de cremar o corpo do pai, um britânico reencontrou o progenitor através de um programa de televisão. A polícia de Manchester já admitiu que houve um erro e pede desculpa pela "experiência traumática" que a família passou.

John Delaney desapareceu em 2000 e em 2003 a polícia descobriu um corpo com características semelhantes, desde as roupas a sinais de nascença. Embora o estado de decomposição do cadáver tenha dificultado o processo de identificação, mesmo assim as autoridades confirmaram que se tratava de Delaney. A família procedeu à cerimónia fúnebre e cremação do corpo.

Já em 2008, o filho de John Delaney, que agora tem 71 anos, estava a ver um programa de televisão sobre pessoas desaparecidas quando viu uma imagem do seu pai com um pedido de ajuda das autoridades para identificar o idoso. "Tive logo a certeza que era ele e fiquei com a cabeça à roda", contou o filho ao jornal inglês Daily Telegraph. "Estava em tal estado de choque que não consegui fazer mais nada nesse dia".

Com amnésia provocada por uma queda em Abril de 2000, quando foi dado como desaparecido, John Delaney estava a viver numa instituição desde essa data, sem se conseguir lembrar de nenhum pormenor sobre a sua identidade. Depois de ter visto o programa, o filho contactou as autoridades que, após o teste de ADN, confirmaram tratar-se da mesma pessoa.

Num comunicado, o porta-voz da polícia de Manchester disse aceitar "que foram cometidos erros e que a família Delaney passou por uma experiência traumática". No entanto, justifica-se alegando que "na época só havia registos em papel de pessoas desaparecidas" e que "hoje a polícia de Manchester tem sistemas avançados para assegurar que erros desta natureza não aconteçam". Entretanto já foi levantada uma investigação para descobrir a quem pertencia o corpo que foi cremado.