Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Greve do lixo "é gravíssima"

António Costa afirmou hoje que a situação provocada pela greve de quatro dias dos trabalhadores da higiene urbana é "gravíssima", mas a Câmara não pode fazer nada.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa classificou hoje como "gravíssima" a situação provocada pela greve de quatro dias dos trabalhadores da higiene urbana, adiantando que o município está impedido de contratar serviços alternativos.

António Costa foi hoje questionado pelos jornalistas sobre a possibilidade de tomar medidas para prevenir o caos e a insalubridade resultantes da greve que impede a recolha do lixo em Lisboa durante cinco dias, já que a paralisação de quatro dias se sucede a um domingo, mas adiantou que nada pode fazer.

"Não posso legalmente substituir os trabalhadores em greve", salientou o autarca à saída da comissão parlamentar de Obras Públicas, onde foi ouvido a propósito do terminal de contentores de Alcântara.

Considerando que se trata de "uma situação gravíssima para a cidade", o presidente do município reiterou que a greve é "extemporânea e injustificada" porque não está em causa qualquer intenção de privatização dos serviços de higiene urbana.

"É uma atitude fora de tempo", afirmou Costa, lembrando que apenas foi pedido um estudo sobre a possibilidade de adjudicar a limpeza e varredura de ruas a uma entidade externa em duas zonas.

O protesto dos trabalhadores municipais decorre até quinta-feira e visa contestar a alegada intenção de privatizar os serviços de recolha de lixo e limpeza das ruas em algumas zonas.

Os trabalhadores reclamam ainda a contratação de 200 cantoneiros e a aquisição ou reparação de meios materiais e equipamentos.

A greve abrange entre 2.000 a 2.500 trabalhadores do Departamento de Higiene Urbana e Resíduos Sólidos da Câmara Municipal de Lisboa, incluindo cantoneiros, motoristas e pessoal administrativo e técnico.

  • Na base da protesto, que começou às 06h00 de hoje e se prolonga até quinta-feira, está a alegada intenção da autarquia em privatizar os serviços de higiene urbana em algumas zonas da capital.