Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Greenpeace bloqueia loja Pingo Doce

Entradas do supermercado Pingo Doce do Cais do Sodré, em Lisboa, estão a ser bloqueadas pelo Greenpeace, que acusa a empresa de compactuar com práticas de pesca destrutivas

Ativistas da Greenpeace bloquearam hoje as entradas do supermercado Pingo Doce do Cais do Sodré, em Lisboa, para alertar os consumidores e "pressionar" a Jerónimo Martins a "garantir a sustentabilidade do peixe que vende", mas o grupo diz que cumpre a lei.

Com menos de 1% dos oceanos protegidos, a organização defende que "é urgente" parar de compactuar com as práticas de pesca destrutivas que já levaram ao colapso de um terço dos stocks de peixe comercial e agir para travar a perda de vida marinha do planeta.

"Estes supermercados gastam milhões em publicidade, mas recusam-se a assumir a responsabilidade pelo pescado à vendas nas suas lojas", explica a coordenadora da campanha de oceanos da Greenpeace em Portugal, Lanka Horstink.

A Jerónimo Martins "cumpre integralmente os imperativos legais da União Europeia sobre política de pescas", disse à Lusa fonte oficial do grupo, acrescentando que o peixe comercializado nas suas lojas segue as normas definidas.

Grupo Jerónimo Martins voltou a ser o pior classificado

Para a associação ambientalista, "é fundamental que este retalhista altere a sua estratégia de negócio de modo a incorporar, não só o lucro, mas atender também aos interesses dos seus clientes em ter peixe no futuro".

No terceiro ranking dos supermercados da Greenpeace, que analisa as práticas de compra de peixe das principais cadeias de distribuição alimentar em Portugal, o grupo Jerónimo Martins "foi novamente o pior classificado" pois "insiste em limitar a sua atuação ao cumprimento da lei".

Para Lanka Horstink, com as quotas anuais de pesca estabelecidas para a Europa em média 48% acima das recomendações dos cientistas e com mais de 80 por cento dos stocks de peixe considerados sobre explorados, "seguir as regulamentações definitivamente não basta".

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.