Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Governo retira estátua de Franco em Melilla

A estátua de Francisco Franco na cidade de Melilla, enclave espanhol em Marrocos, vai ser levada para o museu militar local.

Maria Luiza Rolim, com agências

A última estátua do ditador Francisco Franco que ainda permanece numa via pública espanhola vai ser retirada dentro de duas semanas. A iniciativa da presidência da Câmara da cidade de Melilla, em Marrocos, em resposta à exigência do Governo espanhol, atende à determinação da Lei de Memória Histórica, de 2007, que determina que os símbolos do franquismo devem ser banidos dos locais públicos.

De acordo com a legislação, os símbolos do franquismo - incluindo nomes de logradouros - devem ser mantidos em locais privados. A única excepção são os museus e igrejas, onde as marcas da ditadura podem permanecer por estarem classificadas como bens culturais.

Desde 1978 que a Câmara de Melilla estava a ser pressionada para retirar a estátua de Franco ainda jovem, de pé e a trazer um uniforme militar. Nada sucedeu até aqui porque os sucessivos autarcas de direita alegavam que não se tratava de uma homenagem ao ditador mas, sim, ao comandante da legião militar da cidade (visto que Franco serviu ao Exército em Melilla).

Segundo o porta-voz da associação Colectivo para a Supressão de Símbolos Franquistas, "em Melilla foi muito difícil. Passaram pela autarquia seis partidos mas nenhum quis saber da retirada do monumento. Parecia uma obsessão querer manter viva a passagem do ditador pela cidade", afirmou Enrique Delgado.

Em Dezembro passado, foi retirada da cidade de Santander a última estátua de Franco que ainda era mantida numa via pública em Espanha. Entre monumentos e nomes de ruas, já foram alterados pelo menos 950 locais onde existiam símbolos do franquismo.