Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Francisco Guterres anuncia candidatura à presidência de Timor-Leste

O presidente do Parlamento timorense reuniu o apoio do principal partido do país e é agora o candidato mais credível para substituir Xanana. A eventual candidatura de Ramos Horta fica assim mais fragilizada.

Francisco Guterres anunciou hoje a candidatura às eleições presidenciais timorenses, agendadas para o próximo dia 9 de Abril. O anúncio foi feito na companhia de Mari Alkatiri, secretário-geral da Fretilin, e antigo primeiro-ministro.

Guterres na sua declaração de candidatura assumiu-se como um candidato de todos e para todos, "é uma candidatura aberta a todos, ao apoio de todas as franjas da sociedade timorense", assegurou. Quanto a ser um candidato da Fretilin, Guterres é peremptório, “vou continuar a ser presidente da Fretilin, mas não é por isso que vou ser um Presidente da Fretilin”, declarou à Lusa.

Contudo, durante a campanha eleitoral não poderá haver confusões, nessa altura, Francisco Guterres irá “naturalmente equacionar” a suspensão do mandato de presidente do Parlamento e das funções que actualmente exerce.

Ramos Horta desvaloriza apoio da Fretilin

Na declaração de quatro páginas que leu em português e tétum afirmou-se ainda como um “católico profundo”, prometendo ser “um Presidente em prol da solução dos problemas. Não serei jamais fonte de criação de conflitos”, garantiu.

José Ramos Horta, que já avisou poder ser um candidato presidencial “in extremis”, caso consiga o apoio de várias franjas da sociedade timorense, desvaloriza o apoio da Fretilin à candidatura de Francsico Guterres. Ramos Horta lembra que em 2001 o partido maioritário não apoiou Xanana Gusmão, “que veio a ganhar com 84% dos votos”.

Até agora são conhecidas cinco candidaturas presidenciais: do PSD a jurista Lúcia Lobato, do partido Kota o deputado Manuel Tilman, do ASDT Francisco Xavier do Amaral, do PST Avelino Coelho e da Fretilin Francisco Guterres.

Heróis recordados

Francisco Guterres nasceu em 1954 em Ossú, no distrito de Videque. Em 1975 quando a Indonésia invadiu Timor-Leste fugiu para o mato e juntou-se ao pelotão comandado por Lino Olokassa. Em 1976 Guterres é nomeado vice-secretário da zona litoral leste e nos 20 anos seguintes, esteve sempre ao lado da resistência armada timorense, onde ocupou vários cargos.
Em 1997 após a morte do histórico guerrilheiro, Konis Santana, Guterres assumiu o cargo de secretário da Comissão Directiva da Fretilin. No mesmo ano ocupou vários cargos, no então criado, Conselho Nacional da.

Resistência Timorense.

Em 2001 foi eleito presidente da Fretilin no primeiro congresso do partido, sendo reeleito em 2006. Foi ainda presidente da Assembleia Constituinte em 2001 e 2002 e com a restauração da independência, tornou-se presidente do Parlamento Timorense.

Hoje, ao anunciar a candidatura a chefe de Estado do país pelo qual lutou durante décadas, não se esqueceu dos companheiros de luta. "Como candidato da Fretilin, regresso às origens e revejo o passado de sofrimento por que passámos. Buscarei sempre inspiração nos nossos heróis, desde Nicolau Lobato a Nino Konis Santana", declarou.