Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Férias curtas no apeadeiro da crise

As malas estão prontas. O Algarve que se cuide. Será o centro político em agosto. É para lá que quase todos se mudam de armas e bagagens.

Humberto Costa (texto) e Miguel Seixas/Who (ilustração)

Uma semanita, dizem parcimoniosamente os ministros, uma quinzena, confessam cautelosos os líderes partidários e deputados. Também em matéria de férias a frugalidade é o politicamente correto.

Percebe-se o receio. Não fora o Presidente decretar férias caseiras em tempo de crise, que a maioria promete cumprir, e, provavelmente, este teria sido um ano de festança. Assim, não!

De facto, está bem de ver que o moribundo país económico, na foto de Medina Carreira, não suportaria este arraial dos direitos... a férias que seja! Cavaco não vai tão longe. Mesmo que de modo acabrunhado toleram-se romarias na Caparica ou mesmo confusões de chanatos no calçadão algarvio.

Siga, pois, o comboio e nada melhor do que o Algarve, para o país recuperar a autoestima. Dado o contexto, e depois de Cavaco Silva ter dado o mote com uns dias de férias em família nos Açores, o Algarve funciona como o limite do horizonte português. Ora para o PR é mesmo o limbo entre a decência e a perdição. É neste limite que o windsurf de Paulo Portas se dá. "Entre Algarve e Marrocos", dizem-nos, consoante os ventos que sopram.

Mas divulguemos então a lista da deserção sulista: Cavaco Silva, Mário Soares, Augusto Santos Silva (Defesa), Pedro Passos Coelho, Miguel Relvas, Vera Jardim, Vitalino Canas, Bernardino Soares, Jerónimo de Sousa, António José Seguro, António Mendonça (Obras Públicas), Paulo Portas e muitos mais. Um autêntico Governo de salvação nacional, com presidência de feição.

O Sul é, de facto, uma tentação. Reparem como o Alentejo, esse altar comunista, vai cedendo ao devaneio burguês. Que os dirigentes do partido ali se refugiem do estio rigoroso não admira, não há almoços grátis. Mas António José Seguro! O eterno futuro secretário-geral do PS ficará em Porto Covo. "Uma prática de 18 anos", disse-nos. Aí está, o verdadeiro "pessegueiro" da "ilha" comunista, diria Rui Veloso.

Assis, líder parlamentar socialista, não se desvia da ortodoxia cavaquista: "passará férias entre Amarante - a sua terra natal - e Vila do Conde". No mesmo sentido vai Ricardo Rodrigues: "gozará férias na sua terra, mas nos Açores". Prepara-se um assalto ao lugar de César.

Já o deputado socialista Sérgio Sousa Pinto distender-se-á na Praia Grande. Há quem, por piada, diga que irá acampar no quintal de Mário Soares (casa de Nafarros). Inspirador! E Alegre? Uma resposta talvez menos poética, mas inegavelmente patriótica: "Faço férias cá dentro", disse-nos, sem mais. Em Nafarros não será com certeza.

Falemos então agora das férias dos ministros. António Mendonça passará "duas semanas de agosto em Cabanas, Tavira", dizem-nos do seu gabinete. No Governo há má-língua que gostaria de lhe oferecer férias prolongadas.

Quem não vai no comboio algarvio é a ministra da Saúde. "A drª Ana Jorge irá para fora cá dentro. Duas semanas em agosto entre Lisboa e o Oeste, na terra que a viu nascer". Viu nascer nos bons velhos tempos das maternidades abertas. Agora, passaria férias a meio da autoestrada rosa.

Mas o mais criativo plano de férias é da autoria da ministra do Ambiente, Dulce Pássaro. Gozará alguns dias com a família no norte do país e, "à semelhança dos últimos 11 anos, participará numa viagem organizada pela paróquia de Oliveira do Hospital, este ano à Roménia e à Bulgária".

Ora aí está! Que rica cabeça de cartaz para o folheto paroquial.

Nos banqueiros há os que aceitam o conselho cavaquista, quanto mais não seja por razões de tradição. Mas se há os tradicionalistas também há os que mergulhando nas águas atlânticas preferem a outra margem. E não há golden share que os segure. Mas Diogo Vaz Guedes não. É um dos seguidores do conselho cavaquista. O administrador da Privado Holding vai dividir-se entre a Comporta e a Quinta do Lago. No mesmo comboio seguirá Fernando Ulrich (BPI), que este ano repete as férias algarvias. Já Nuno Amado (Santander) assentará arraiais em Santa Cruz (Praia Oeste), mas não deixará de dar um pulinho ao estrangeiro. E onde se bronzeará Ricardo Salgado? O homem forte do BES irá acalmar o stresse entre a Quinta do Lago (Algarve) e as areias do Brasil. E garantidamente não irá a nado.

Texto publicado na edição do Expresso de 31 de Julho de 2010