Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Feira do Livro de Lisboa abre "sábado ou domingo", diz fonte da autarquia

A Feira do Livro vai começar no "sábado ou domingo" e as editoras do grupo de Paes do Amaral vão ter pavilhões diferentes.

Inicialmente prevista para começar amanhã, a 78.ª Feira do Livro de Lisboa deverá abrir "sábado ou domingo", disse à Lusa fonte autárquica, estando já a decorrer os trabalhos de montagem dos pavilhões do grupo Leya, que integra, entre outras, a Editorial Caminho, Oficina do Livro, Edições Asa, GaiLivro, Casa das Letras, e Publicações D. Quixote.

A feira foi adiada na sequência do diferendo entre a APEL-Associação Portuguesa de Editores e Livreiros e o grupo Leya que conseguiu agora ver satisfeita a sua pretensão de ter pavilhões diferenciados dos restantes.

O administrador-delegado do grupo Leya, Isaías Gomes Teixeira, disse á Lusa que participarão de "forma diferenciada" na Feira do Livro de Lisboa, com 15 módulos de três dimensões diferentes, a instalar no topo direito Parque Eduardo VII.

Segundo Gomes Teixeira, a Leya "irá na prática ocupar o mesmo número de metros quadrados que ocupariam as editoras que constituem o grupo". A Leya optará por módulos de "um tom avermelhado" que não ultrapassarão "os 2,80 metros de altura, mas com dimensões diferentes, numa lógica de loja que convida os visitantes a entrarem".

Isaías Gomes Teixeira qualificou de "essencial a intervenção do presidente da Câmara, António Costa, no momento final da negociação" e agradeceu ao director municipal de Cultura, Rui Pereira, "pelo esforço feito para que estivessem na Feira todos os editores". Considerou ainda "pedra essencial para se alcançar um consenso" na negociação de ontem, sob os auspícios da Câmara de Lisboa, a acção desenvolvida por Vasco Teixeira, da Porto Editora.

"Gostaria de agradecer a Vasco Teixeira da Porto Editora pela grandeza que teve", disse, referindo o papel que este desempenhou junto dos membros da APEL para que estes aceitassem o acordo.

Ontem à noite ficou igualmente acordado que a UEP-União de Editores Portugueses retirará os pedidos de organização das próximas feiras enquanto a APEL, que organizará a de 2009, tem até 30 de Novembro para apresentar um plano de modernização.

Na reunião participaram Carlos Veiga Ferreira, da UEP, Vasco Teixeira, João Espadinha e Augusto Silva, da APEL, o administrador-delegado da Leya, Gomes Teixeira, e a vereadora da Cultura, Rosalia Vargas.

A Feira do Livro do Porto, como previsto, abre quarta-feira no Pavilhão Rosa Mota, sem a participação oficial do grupo Leya. No entanto, os títulos das editoras do grupo estarão disponíveis através de uma distribuidora de Braga.