Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Ex-terrorista posta em liberdade

Embora a pena prevista fosse a prisão perpétua, a ex-terrorista alemã da Facção Exército Vermelho vai sair em liberdade condicional. Para trás ficam 21 anos de prisão por participação em atentados.

Após 21 anos na cadeia a ex-terrorista Eva Haule, da Facção Exército Vermelho (RAF) vai sair em liberdade condicional. A decisão foi anunciada pelo tribunal de Frankfurt, que atenua assim a pena inicialmente prevista de prisão perpétua.

Eva Haule foi detida em 1986 por pertencer à organização terrorista alemã de Esquerda e ter participado em vários atentados, entre eles um ataque bombista a uma base militar norte-americana onde morreram duas pessoas. Responsável por raptos e homicídios que marcaram 1977 como o "ano do terror" na Alemanha, a RAF de Eva Haule ceifou a vida a dezenas de pessoas, entre eles políticos, banqueiros, juristas, motoristas, polícias, guardas de alfândega, guarda-costas e soldados norte-americanos.

No ano passado, Eva Haule, actualmente com 52 anos, pediu a liberdade condicional. O pedido foi rejeitado e o tribunal fixou o tempo mínimo da pena para 21 anos. A ex-terrorista será agora posta em liberdade no próximo dia 21 de Agosto.

Eva não é o primeiro caso

Eva Haule é a segunda ex-terrorista a ser libertada este ano. Já em Março, Brigitte Mohnhaupt saiu em liberdade condicional após 24 anos atrás das grades. Em Maio, o presidente alemão rejeitou um pedido de clemência feito por outro membro da RAF, Chrsitian Klar, que só poderá sair da prisão em 2009.

A atribuição de liberdade condicional a ex-terroristas tem dividido os partidos alemães. Por um lado, o Partido Social-Democrata (SPD), o Partido Liberal (FDP) e os Verdes consideraram a decisão como uma prova da força do Estado e um sinal de que o sistema jurídico alemão tem como objectivo dar sempre uma oportunidade de reinserção. Por outro, os conservadores da União Democrata-Cristã (CDU) e da União Social-Cristã (CSU), mostram contrariedade. Os parentes das vítimas da RAF já criticaram a medida.