Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Estrelas de Hollywood contra independência do Kosovo

George Clooney, Richard Gere, Sharon Stone e Sean Connery juntam-se num movimento contra a independência do território. Conversações decorrem em Bruxelas

Luísa Meireles

Luísa Meireles

Redatora Principal

Sean Connery and Richard Gere são as mais recentes actores de Hollywood a juntar-se ao movimento contra a independência do Kosovo, que já conta com as não menos conhecidas estrelas George Clooney e Sharon Stone.

Connery equiparou a situação daquele território à sua terra natal, a Escócia. "Durante toda a sua história, a Escócia teve muitas mais razões para ser independente, mas nunca foi 'autorizada' a fazer secessão", afirmou o mais famoso James Bond, para recordar que não vê "qual a diferença entre a sua terra e o Kosovo, para criar um tal precedente agora".

Segundo o jornal alemão "Frankfurter Allgemeine Zeitung", também o actor Richard Gere coloca dúvidas quanto ao empenho das grandes potências em dar a independência ao território: "Deve haver alguma coisa que eles pretendem, senão não o fariam".

Clooney e Sharon Stone já tinham anunciado que vão organizar um protesto contra uma eventual declaração de independência do Kosovo.

Primeiro-ministro kosovar em Bruxelas

O primeiro-ministro do Kosovo, Hashim Thaci está hoje em Bruxelas para conversações com a União Europeia e a NATO sobre o calendário para o que os diplomatas já denominam como a 'Declaração Coordenada de Independência'.

Thaci afirmou que espera "poder anunciar a data, mas que tudo terá de ser coordenado com Bruxelas e os EUA, de modo a que o processo de independência seja finalizado em conjunto".

Ontem, o chefe da missão da ONU no Kosovo, Joachim Ruecker, disse estar "profundamente convencido que o Kosovo atingiria o seu objectivo dentro em breve", acrescentando que o território precisava de um futuro democrático mas também multiétnico.

Sabe-se que os Estados Unidos pressionam para que essa declaração ocorra no final de Fevereiro, mas alguns membros da UE prefeririam esperar até Março. A Páscoa seria a data-limite, segundo afirmou um diplomata à Reuters.

Em todo o caso, os europeus estão na expectativa de saber quem será o próximo Presidente da Sérvia, cuja segunda volta das eleições será realizada a 3 de Fevereiro. Na primeira volta, no domingo passado, venceu o nacionalista Tomislav Nikolic (39,6% ) contra o Presidente incumbente, Boris Tadic (35,5%).

Os europeus não escondem a sua preferência por Tadic, considerado um pró-europeu. Durante a campanha, Nikolic manifestou-se a favor do congelamento das relações com a UE, se ela reconhecer a independência do Kosovo.

Ontem, em Berlim, a secretária de Estado americana Condoleezza Rice, advertiu publicamente a Europa de que "é perigoso continuar a esperar pelo que necessita de ser feito, isto é, resolver o estatuto do Kosovo".

Segundo Rice, que se encontrou com os seus homólogos da Alemanha, França e Reino Unido, vão ter de ser tomadas "decisões difíceis" e "adiá-las não as torna mais fáceis".

A União prepara-se para enviar para o Kosovo uma missão de polícia e de supervisão de 1800 homens, assumindo parte do papel da ONU no território. O envio poderá ser decidido num encontro dos mne's europeus, marcado para 18 de Fevereiro.

A Rússia é frontalmente contra a independência do Kosovo e já avisou, a par da China, que o "novo país" nunca obteria assento nas Nações Unidas.