Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Equipa de futsal do Benfica ameaçada com caçadeira

O autocarro onde seguia a comitiva 'encarnada' para um jogo foi ameaçado por uma caçadeira. O clube da Luz tem imagens do incidente e já apresentou queixa-crime à PSP. (Veja as imagens no final do texto)

Pedro Miguel Neves

O Benfica apresentou uma queixa-crime à PSP pelos incidentes do dia 5 de Dezembro, em Gondomar, quando a comitiva de futsal foi ameaçada com uma caçadeira. Tudo aconteceu na véspera do jogo contra a Fundação Jorge Antunes, quando a equipa se deslocava para o hotel no autocarro do clube, após o jantar de recepção. "Um carro ultrapassou-nos e os ocupantes começaram a insultar-nos. Depois, numa segunda fase, voltaram a passar o autocarro e um dos elementos apontou-nos uma caçadeira. Foi assustador", conta João Pedro Ferreira, secretário técnico do futsal do Benfica, que acompanha sempre a equipa nas deslocações. O motorista do autocarro acabou por conseguir ultrapassar a viatura que ameaçava a comitiva 'encarnada'. "Depois a estrada estreitou-se, o que tornou difícil que nos ultrapassassem e, assim que conseguimos atingir a auto-estrada, deixaram de nos acompanhar", acrescenta o dirigente. Apesar de ter imagens do incidente, captadas por uma equipa de reportagem, só ontem a 'Benfica TV' as divulgou no noticiário das 21 horas. Isto porque o jogo de dia 5 foi interrompido e a equipa teve de regressar para concluir a partida, na última terça-feira (dia 15 de Dezembro). Depois da queixa-crime apresentada junto da PSP, os jogadores e a restante comitiva poderão servir de testemunhas junto do Ministério Público para confirmar as ameaças.

"Situação frequente"

Sempre que a comitiva do Benfica se desloca ao Norte do país, as ameaças "são frequentes". "Desde insultos verbais, a pedras arremessadas, tentativas de pararem o autocarro com viaturas, já nos aconteceu de tudo. Mas esta foi a mais grave", reconhece João Pedro Ferreira. Isso provoca "nervosismo e ansiedade" nos jogadores e em toda a comitiva, pois não são "situações normais". O dirigente diz que o futsal não é a única modalidade visada, pois já ouviu relatos de situações semelhantes, feitos por colegas de outras modalidades ditas amadoras do Benfica. Contudo, o secretário técnico das 'águias' reconhece que "acontecem mais coisas boas que más". "O Benfica tem mais apoio, é a confirmação que é o maior clube português", afirma.

Caso de polícia

Segundo João Pedro Ferreira, as autoridades são sempre informadas das deslocações do Benfica. "A polícia sabe sempre qual é o nosso programa. Acho que deviam ter mais cuidado, mas acho que agora, de uma vez por todas, terão de se preocupar", diz. Ao contrário do que acontece no futebol, onde as equipas 'grandes' são acompanhadas habitualmente por escolta policial, nas modalidades o mediatismo é menor e por isso não há acompanhamento das autoridades. Por isso, teria de ser o clube a requisitar polícia para as deslocações mais 'complicadas'. No entanto, segundo fonte do Benfica, isso torna-se complicado pois o clube teria de pagar o policiamento e, numa modalidade amadora que gera poucas receitas, é ainda mais difícil. http://downloads.officeshare.pt/expressoonline/Video/SLB.swf