Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Edmund Phelps distinguido com prémio de Economia

Academia premeia investigação sobre os efeitos de curto e de longo prazo das políticas macroeconómicas. Em artigo de opinião, o professor da Universidade Católica, João César da Neves ajuda a perceber o trabalho de Edmund Phelps.

Edmund S. Phelps foi distinguido hoje com o Prémio Nobel da Economia 2006, anunciou em Estocolmo a Real Academia Sueca de Ciências. O norte-americano de 73 anos, professor da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, foi premiado pelo seu contributo para a análise de 'tradeoffs' intertemporais na política macroeconómica, chamando a atenção para os diferentes efeitos de curto e de longo prazo das políticas macroeconómicas.

Em 1959 doutorou-se na Universidade de Yale, onde ficou alguns anos até ir para a Universidade da Pensilvânia, para em 1971 entrar para o departamento de Economia da Universidade de Columbia.

No final dos anos 60 o seu trabalho ficou conhecido pela introdução de um modelo microeconómico de expectativas na teoria da determinação do emprego e na dinâmica dos preços e salários.

O académico tem mais de 30 livros publicados e inúmeros artigos em revistas da especialidade, mas nenhum se encontra editado em português. Entre eles contam-se: "Structural slumps: the modern equilibrium theory of unemployment, interest and assets" e "Inflation policy and unemployment theory".

Nos anos 90 foi conselheiro do Departamento do Tesouro norte-americano, do Comité Financeiro do Senado, do conselho de administração da Reserva Federal e do projecto Itália na Europa no Consiglio Nazionale delle Ricerche.

Phelps receberá um prémio de 10 milhões de coroas suecas (cerca de 1,1 milhões de euros) no próximo dia 10 de Dezembro em Estocolmo.

 

10 ANOS DE NOBEL DA ECONOMIA

Lista de galardoados com o prémio do Banco da Suécia para a Ciência Económica em memória de Alfred Nobel, conhecido como Nobel da Economia:

2006 – Edmund Phelps (EUA)

"Pela análise dos 'tradeoffs' intertemporais na política macroeconómica"

2005 – Robert J. Aumann (Israel-EUA) e Thomas C.Schelling (EUA)

"Pelo contributo para a compreensão dos fenómenos do conflito e da cooperação através da análise da teoria do jogo"

2004 – Finn Kydland (Noruega) e Edward Prescott (EUA)

"Pelo contributo para a dinâmica da macroeconomia: a consistência temporal da política económica e as forças condutoras dos ciclos de negócios"

2003 – Robert F. Engle (EUA), Clive W.J. Granger (Reino Unido)

"Pelo desenvolvimento de métodos de análise económica em estatísticas de volatilidade temporal"

2002 – Daniel Kahneman (EUA e Israel), Vernon Smith (EUA)

"Pelas análises em economia experimental e psicológica".

2001 – George Akerlof (EUA), Michael Spence (EUA) e Joseph Stiglitz (EUA)

"Pelas análises de mercados com informação assimétrica"

2000 – James Heckman (EUA) e Daniel McFadden (EUA)

"Pelo desenvolvimento de teorias e métodos que são largamente utilizados na análise estatística do comportamento dos indivíduos e famílias, tanto nas ciências económicas, como noutras ciências humanas"

1999 – Robert A. Mundell (EUA)

"Pela análise das políticas monetária e fiscal sob diferentes regimes de taxa de câmbio"

1998 – Amartya Sen (Índia)

"Pela contribuição para restaurar a dimensão ética do debate económico e social, através da combinação de ferramentas económicas e filosóficas"

1997 – Robert C. Merton (EUA) e Myron S. Scholes (EUA)

"Pelo novo método de determinar o valor dos derivados"

1996 – James A. Mirrlees (Reino Unido) e William Vickrey (EUA)

"Pelas contribuições fundamentais para a teoria económica dos incentivos sob informação assimétrica"