Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Divulgadas imagens de alemã raptada

Uma cidadã germânica de 31 anos foi vítima de sequestro em Cabul. Os raptores já afirmaram não serem talibãs e tudo o que exigem é a libertação de “prisioneiros inocentes”.

O nome da alemã raptada ontem em Cabul é Christina Meier e estava na capital afegã a trabalhar como funcionária da agência humanitária “Ora”.

Na altura do rapto a polícia ainda perseguiu o carro para onde a alemã foi levada, mas de nada serviu, pois os sequestradores conseguiram fugir e uma bala perdida acabou por matar um taxista inocente.

A mulher de 31 anos, coberta com um lenço branco e rosto amedrontado, apareceu num vídeo caseiro cujas imagens foram difundidas por uma televisão afegã. Na filmagem e a falar em Dari – o dialecto local – Meier garantiu “estar bem”. A alemã a ler a partir de uma carta que lhe fora dada prossegue: “Ninguém me ameaçou. Peço que o meu país faça o que for possível para a minha libertação”.

Há dois anos que nenhum estrangeiro era raptado

Os raptores embora não se tenham identificado já garantiram não pertencer ao movimento talibã: “Nós não somos talibãs, nós não somos más pessoas”, garantiu um homem de rosto tapado, que exigiu a libertação de “prisioneiros inocentes” cujos nomes “serão enviados para as televisões mais tarde”, acrescentou.

Até à data o governo alemão não fez qualquer comentário ao vídeo.

As autoridades afegãs que desconfiam tratar-se de um rapto realizado por um grupo de criminosos sem ligações ao terrorismo, já desencadearam uma operação de buscas. Embora os ataques bombistas sejam frequentes em Cabul, os raptos de estrangeiros são muito raros, sendo este apenas o segundo desde 2005.

No passado sábado foram também raptados quatro afegãos enquanto trabalhavam numa construção na provincial de Kandahar, no sul do país.

Nesta altura encontram-se em poder dos talibãs 19 sul-coreanos raptados a 19 de Julho e um alemão sequestrado em Junho.