Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Coreias: Obama promete a Seul apoio incondicional dos EUA

"Como vimos nas últimas semanas, a nossa aliança é mais necessária que nunca", afirmou Obama.

O presidente norte-americano Barack Obama prometeu ontem aos sul-coreanos o apoio dos Estados Unidos face às "agressões" de Pyongyang, saudando a "extraordinária paciência" de Seul após o naufrágio de uma das suas corvetas, atribuído a um torpedo norte-coreano.

"Como vimos nas últimas semanas, a nossa aliança é mais necessária que nunca", afirmou Obama, numa mensagem vídeo destinada um grupo de amizade americano-sul-coreano, por ocasião do 60º aniversário do início da guerra da Coreia, em alusão ao naufrágio do navio da marinha sul-coreana Cheonan, no fim de março.

"O ataque contra o navio Cheonan foi um ato de agressão injustificado da Coreia do Norte", repetiu Obama.

Paciência e contenção

"Aos nossos amigos da república da Coreia a quem nos juntamos esta noite, digo isto: vocês e o presidente Lee (Myung-bak) demonstraram uma extraordinária paciência e contenção. Mostraram ao mundo que são uma verdadeira força e confiança. E têm o apoio incondicional do vosso amigo e aliado, os Estados Unidos da América", acrescentou o presidente, segundo a mensagem, cuja transcrição foi divulgada quarta feira à noite pela Casa Branca. Segundo as conclusões de um inquérito internacional, o naufrágio do Cheonan, corveta com 1.200 toneladas, foi provocado por um torpedo disparado por um submarino norte-coreano, matando 46 fuzileiros sul-coreanos. Pyongyang desmentiu qualquer responsabilidade no incidente, um dos mais graves desde o armistício da guerra da Coreia em 1953.

Guerra generalizada

A Coreia do Sul anunciou represálias contra o Norte, que prometeu responder, desencadeando "uma guerra generalizada" em caso de novas sanções, e procura obter uma condenação de Pyongyang na ONU. "Vamos trabalhar, com os nossos aliados e os nossos parceiros, para fazer com que a Coreia do Norte preste contas, nomeadamente ao Conselho de segurança da ONU, para garantir claramente que a Coreia do Norte não obterá nem segurança, nem respeito com agressões, mas apenas respeitando as suas obrigações", sublinhou Obama. "O compromisso dos Estados Unidos para com a segurança e a defesa da república da Coreia nunca enfraquecerá", assegurou.

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.