Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Constâncio aceita explicar-se no Parlamento

Vítor Constâncio já garantiu ao PSD que aceita ir à Assembleia da República falar do BCP. Dificuldades nas datas pode levar o Governador do Banco de Portugal a ser ouvido no sábado.

Vítor Constâncio aceita ir ao Parlamento dar explicações sobre o processo do BCP. O Governador do Banco de Portugal comunicou esta segunda-feira de manhã ao presidente da Comissão de Economia e Finanças, o social-democrata Jorge Neto, a sua total disponibilidade" para se reunir com os deputados, faltando apenas acertar a data.

"Confirmo que o senhor Governador me manifestou estar totalmente disponível para ser ouvido na Assembleia da República", afirmou Jorge Neto ao Expresso. A difícil concertação das agendas é o que continua em cima da mesa e já levou os sociais-democratas a avançarem com a hipótese de o Parlamento ouvir o Governador no sábado, embora o mais provável seja a reunião só acontecer depois de dia 15.

Entre quarta e sexta-feira desta semana, Vítor Constâncio vai estar ausente do país em reuniões do Banco Central Europeu, e na segunda e terça da próxima semana o Parlamento estará fechado por decorrerem as Jornadas Parlamentares do PSD. Assim sendo, ou a audição na Assembleia decorre no sábado ou fica para quarta-feira da próxima semana - dia 16 - um dia após a Assembleia-Geral do BCP.

Sexta-feira passada, o PSD lançou um repto a Constâncio para que aceitasse explicar-se no Parlamento até dia 15 sobre a forma como acompanhou as irregularidades agora confirmadas no maior banco privado português e que já tinham dado origem a um processo arquivado pelo Banco de Portugal. Caso o Governador resistisse a explicar-se o PSD aconselhou-o a abandonar o cargo.

Confirmada a disponibilidade de Constâncio, se o encontro com os deputados só poder acontecer a 16 e não até dia 15, os sociais-democratas não levantarão problema. Pedro Santana Lopes, líder parlamentar do PSD, afirmou ao Expresso não haver qualquer intenção de julgar as pessoas de forma precipitada". A proposta de Paulo Portas de avançar com um inquérito parlamentar a Constâncio parece, aliás, desagradar ao maior partido da oposição.

  • O ex-administrador do BCP reclamou, "por uma questão de princípio", do prazo dado para apresentação de listas à presidência do BCP. A reclamação foi aceite e o prazo, que terminava hoje, foi prolongado para Domingo. Cadilhe não confirma aparecimento de lista alternativa à de Carlos Santos Ferreira.