Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Conflito "já faz parte da história da Vivo"

Presidente da operadora brasileira garante que haverá distribuição de dividendos aos acionistas.

Filipe Santos Costa, em São Paulo (www.expresso.pt)

Roberto Lima, presidente da Vivo, afirmou hoje que haverá distribuição de dividendos da empresa, mas que isso não garante que estes cheguem à PT. "Os dividendos jamais seriam bloqueados no Brasil, porque temos compromissos com acionistas minoritários que contam por 40% do capital da empresa. Os dividendos que são pagos à BrasilCel, que é a holding onde existe a participação tanto da Portugal Telecom como da Telefónica, sobre essa empresa, sediada na Holanda, não podemos nos manifestar, porque lá eles têm os seus próprios acordos sobre como podem fazer a distribuição de dividendos."

O presidente da Vivo foi um dos cerca de vinte responsáveis de grandes empresas brasileiras que estiveram em São Paulo num encontro com José Sócrates, em que o primeiro-ministro falou das oportunidades de investimento em Portugal.

Roberto Lima garantiu que não falou com o chefe do Governo português sobre o conflito entre os dois acionistas de referência da Vivo, mas desdramatizou esse facto. Questionado sobre como é gerir a empresa com a guerra entre a PT e a Telefónica, respondeu: "Não é fácil, mas esse é um dado que já faz parte da história da Vivo. Desde a sua criação os dois acionistas sempre demonstraram vontade de ter 100% do capital da empresa, por um lado a gente vê isso positivamente porque se fosse uma má empresa ninguém queria. Nós estamos muito satisfeitos por termos podido criar um ativo com muita qualidade que é desejado pelos dois, esperemos que a situação se resolva sem que a empresa seja afetada."

O presidente da maior operadora móvel do Brasil diz que, pela parte da sua empresa "temos procurado nos isentar dessas discussões, temos um conselho de administração onde essas discussões não surgem. É óbvio que acompanhamos com bastante atenção o desenrolar dessas negociações, mas nesse momento elas não afetam o nosso plano nem as nossas atividades".