Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

CGTP e UGT comemoram 1.º de Maio com objetivos diferentes

As centrais sindicais assinalam hoje o 1.º de Maio separadas e com objetivos diferentes face ao atual cenário de crise económica e social.

As centrais sindicais CGTP e UGT assinalam hoje o 1.º de Maio separadas e com objetivos diferentes face ao atual cenário de crise económica e social.

A Intersindical pretende que o Dia do Trabalhador não seja apenas de festa, mas que se torne também "num grande dia de luta" contra o desemprego e a precariedade, a redução dos salários, a pobreza e as desigualdades.

Já a UGT quer que a data seja para festejar, sem deixar cair a defesa do emprego e dos salários.

As comemorações da inter decorrem em mais de 40 localidades, com 93 iniciativas, mas o ponto alto do dia ocorre na capital com o tradicional desfile entre o Martim Moniz e a Alameda, onde o secretário-geral, manuel Carvalho da Silva, fará uma intervenção politico-sindical.

Sob o lema "é tempo de mudar, com a luta de quem trabalha", a CGTP pretende aproveitar a data para assinalar os 120 anos do 1.º de Maio e os 40 anos da Intersindical.

A UGT decidiu assinalar o dia do Trabalhador com uma manifestação nacional - entre o Marquês de Pombal e os Restauradores, onde o seu secretário geral, João Proença, falará sobre a situação sócio-económica do país.

É espectável que os líderes das duas centrais abordem nas suas intervenções os cenários sócio-económicos decorrentes da especulação internacional que tem sido feita ao longo da última semana.

Tradicionalmente a UGT comemorava o 1.º de Maio junto à Torre de Belém, em ambiente de festa, apostando na atuação de cantores portugueses, mas há dois anos iniciou-se nos desfiles e os seus sindicatos gostaram da experiência.

Há 120 anos os trabalhadores de Chicago lutaram pela 8 horas de trabalho diário e sofreram forte repressão policial.

A violenta repressão, a justeza das reivindicações destes trabalhadores e os reflexos que tiveram a nível internacional levaram à declaração do dia 1 de maio como o Dia Internacional dos Trabalhadores, que só pôde ser comemorado em Portugal a partir de 1974.

*** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.