Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Cavaco "preocupado" com aumento dos combustíveis

"Quando o ministro (da Economia) pede a intervenção da Autoridade da Concorrência é porque desconfia de alguma coisa", disse o Presidente da República.

Pedro Neves e Paula Cosme Pinto

Cavaco Silva está preocupado com o aumento do preço dos combustíveis. No segundo dia do Roteiro para a Ciência, o Presidente da República afirmou que "se o ministro da Economia diz que está muito preocupado com o aumento dos combustíveis", então Cavaco também fica "preocupado" com o tema.

Durante a visita ao Instituto Superior de Engenharia do Porto, Cavaco Silva confessou aos jornalistas a sua preocupação, numa fase em que o ministro da Economia, Manuel Pinho, quer clarificar se o aumento do preço dos combustíveis em euros é justo ou não.

"Quando o ministro (da Economia) pede a intervenção da Autoridade da Concorrência é porque desconfia de alguma coisa", disse o Presidente da República, frisando que "devemos aguardar pelas conclusões" do estudo pedido por Manuel Pinho.

Depois dos Roteiros para a Inclusão, Património e Ciência, Cavaco Silva dedica esta quarta jornada do Roteiro novamente à Ciência, com uma visita a diversos institutos politécnicos e empresas voltadas para as tecnologias da informação.

Pinho vai enviar relatório da Concorrência ao Parlamento

Entretanto, o ministro da Economia, Manuel Pinho, disse hoje que deve haver clareza e consenso quanto aos aumentos dos preços dos combustíveis, pelo que enviará à Assembleia da República o relatório da Autoridade da Concorrência. 

"É um problema que afecta as famílias e as empresas e creio que reflecte em mais de 90 por cento o aumento do preço do petróleo. Pedi à Autoridade da Concorrência um relatório para identificar os factores que levam ao aumento dos preços e prefiro não adiantar julgamentos antes de me ser entregue, o que deverá ocorrer na primeira semana de Junho. É preciso clareza e consenso nesta questão, pelo que enviarei o relatório à Assembleia da República, mal o receba", disse.

Manuel Pinho falava na Universidade de Aveiro, onde presidiu à assinatura de contratos com empresas para financiamento para 61 projectos de investigação e desenvolvimento tecnológico, através do Quadro de Referência Estratégica Nacional(QREN).