Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Carina foi vítima de acidente de viação

PJ do Porto diz que "todos os indicadores levam a crer" que a morte de Carina, jovem de Lamego desaparecida há mais de um mês, se deveu a um acidente de viação na A24.

A Polícia Judiciária do Porto considera que todos os indícios apontam que Carina Ferreira, desaparecida desde 1 de maio, foi vítima de um acidente de viação, tendo a viatura em que seguia caído numa ribanceira junto à A24, perto de Lamego. 

Helena Monteiro, coordenadora da PJ Porto, disse aos jornalistas que acompanharam as operações de resgate do corpo de Carina e da viatura, que "todos os indicadores levam a crer que foi um acidente", adiantando que a jovem, de 21 anos, se encontrava no interior da viatura, com o cinto posto.

O carro, um Peugeot vermelho, foi encontrado numa zona de difícil acesso, debaixo de alguma vegetação, o que terá impedido que tivesse sido localizado numa busca aérea realizada naquela zona com o apoio da Proteção Civil. 

Carro escondido por vegetação

Inconformada com o resultado das buscas, a PJ "decidiu ver melhor uma zona de silvado e com mais persistência foram recolhidos indícios de que a viatura poderia estar por debaixo da vegetação", prosseguiu a coordenadora. De acordo com Helena Monteiro, a PJ trabalhou desde o início "admitindo todas as possibilidades, já que se tratava de uma pessoa desaparecida".

"Ponderámos a possibilidade de ser um desaparecimento voluntário, ou porque pretendia sair do ambiente em que vivia ou por eventual suicídio", referiu. A outra hipótese que surgiu, adiantou, foi a de "um desaparecimento involuntário, (em que Carina tivesse sido) vítima de um acidente ou de um crime". 

Afastada a possibilidade do desaparecimento voluntário, "estávamos a trabalhar em duas frentes, no desaparecimento involuntário, e acabámos por verificar que foi um acidente", sustentou. 

Autópsia realiza-se hoje

A autópsia de Carina Ferreira será hoje realizada, tendo a viatura sinistrada sido rebocada esta madrugada para as instalações da PJ no Porto. 

Segundo testemunhou a Lusa, as operações com a grua para içar a viatura na A24 demoraram mais de uma hora e envolveram importantes meios e efetivos policiais, obrigando ao corte do trânsito numa das faixas de rodagem.

O carro com o corpo de Carina foi encontrado junto a um túnel da A24, no fundo de uma ribanceira com mais de 30 metros, tendo a polícia procedido primeiramente à remoção do corpo da jovem.

***Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico*** 

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.