Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Boomers chegam «sem stress»

Nem os 37º graus de temperatura conseguiram demover o ânimo dos 15 mil «boomers» que chegaram ontem para o festival, directamente de 63 países.

Nunca os quatro quilómetros que separam Idanha-a-Nova da Herdade do Torrão pareceram tão longos para as mais de 15 mil pessoas que chegaram ontem ao Boom Festival. Vindos de todos os cantos do mundo, a opinião dos boomers em relação às seis horas de espera para entrar no recinto era unânime: como uma bela cerveja ao lado espera-se sem problemas.

Ao fim da manhã de ontem, já uma vasta fila de caravanas, carros e pessoas de mochilas às costas se estendia entre Idanha-a-Nova e o recinto do festival mais internacional realizado em Portugal. Desde sofás em cima dos capots das carrinhas, churrascos à beira da estrada e muita música, foi o vale tudo ao longo dos 4 quilómetros de um lento pára arranca. Com um espírito sempre divertido, os boomers – muitos ao fim de dias de viagem de carro pela Europa – encararam as seis horas de espera «sem stress». A situação prolongou-se pela noite dentro, uma vez que os espectadores, de 63 nacionalidades diferentes, não pararam de chegar até de madrugada.

Já dentro do recinto, a recepção não podia ser mais amistosa. Cada espectador teve direito a um kit com um jornal interno do Boom Festival, um cinzeiro e um saco para o lixo – a ecologia é o tema desta edição - e dois preservativos, não vá a noite aquecer demasiado.

Quente esteve todo o dia, com temperaturas a rondar os 37º. A lagoa de Idanha-a-Nova fez a delícias dos primeiros boomers a montar acampamento nas suas margens que, vestidos ou totalmente nus, não resistiram ao mergulho da praxe.

A organização do evento revelou estar «satisfeita» com a chegada calma das pessoas ao Boom. «Como é óbvio, não é fácil controlar os comportamentos de 20 mil pessoas, mas até agora tem sido tudo pacífico. Acreditamos que este ambiente vá continuar», explicou ao EXPRESSO Artur Silva, um dos responsáveis pela produção.  

Em todo o recinto respira-se ar puro e não se vê uma única tenda com publicidade. Desde a sua primeira edição, o evento é feito sem patrocínios «para não haver marcas a delinear a imagem do festival». Embora esta atitude traga óbvios prejuízos ao orçamento, «é assim o conceito e a essência do Boom».

A noite de ontem foi marcada apenas por amostras de cinema independente e pelo descanso. Quanto à música, será a partir de hoje o prato forte do evento, com muita dança, cor e diversão.