Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Avião a caminho de Cancun para resgatar portugueses

Um avião do grupo OMNI saiu esta manhã de Lisboa, totalmente vazio. A missão é trazer sãos e salvos mais de 350 turistas portugueses que estão na rota do furacão "Dean".

Com o furacão Dean a deslocar-se rapidamente em direcção às ilhas Caimão e ao México, mais de 350 turistas portugueses vão ser hoje resgatados de Cancun. Um avião do grupo OMNI, que deveria sair hoje de Lisboa com 300 passageiros que fariam férias na região mexicana, partiu esta manhã vazio e deverá regressar às 02h30 de amanhã com o grupo de portugueses.

De acordo com fonte da OMNI, os cerca de 300 passageiros com voo marcado para hoje com destino a Cancun já estão a ser informados de que não poderão viajar devido ao furacão e porque o aeroporto de chegada está fechado. No entanto, embora as autoridades mexicanas não deixem aterrar aviões com passageiros, facilitam operações de resgate, como a que hoje vai ser efectuada com os turistas portugueses.

O furacão "Dean", considerado "potencialmente catastrófico", intensificou-se hoje à medida que avança em direcção às ilhas Caimão, depois de ontem ter passado pela Jamaica. Com ventos de 240 quilómetros/hora, o furacão, actualmente de nível 4 numa escala de cinco níveis (a escala Saffir-Simpson que mede a intensidade dos furacões), poderá atingir o nível máximo ainda hoje, prevê o Centro Nacional de Furacões (CNF) norte-americano, com sede em Miami.

Rasto de destruição

Na Jamaica, foi ontem decretado estado de emergência por trinta dias, que poderá ser levantado a qualquer momento, indicou fonte do governo de Kingston. As chuvas que precederam a passagem do furacão “Dean” provocaram inundações na costa oeste, deixando para trás um rasto de destruição: telhados e árvores foram arrancadas, bloqueando diversas estradas, e mais de 150 mil casas estão sem electricidade.

As forças de segurança viram os seus poderes reforçados para fazer face ao risco de pilhagens, que levou grande parte da população a manter-se em casa durante a passagem do furacão, em vez de recorrer aos refúgios disponibilizados pelas autoridades, em igrejas, escolas e instalações desportivas.

Já na península mexicana do Yucatan, que deverá ser a primeira do México a ser atingida pelo furacão, foi decretado o alerta laranja de "perigo iminente". A rota do furacão deverá, no entanto, poupar a estância balnear de Cancun, onde se encontram centenas de portugueses de férias. As autoridades mexicanas já retiraram 90 mil turistas das regiões de Cancun e Cozumel, uma região fortemente afectada em 2005 pelo furacão Wilma.

Em Cuba, a ameaça do "Dean" motivou já a retirada de cerca de 150 mil pessoas das suas casas, principalmente nas províncias orientais da ilha e na província ocidental de Pinar del Rio. O aeroporto e o porto de Santiago, a segunda cidade do país, estão encerrados até novo aviso. Mais de 2.300 pessoas, entre turistas e trabalhadores hoteleiros, foram desalojados de Cayo Largo del Sur, próximo da Ilha da Juventude, uma das áreas mais ameaçadas.

O "Dean" já causou pelo menos sete mortos à sua passagem pelas ilhas de Santa Luzia, Dominica, República Dominicana e Haiti e centenas de milhares de pessoas tiveram que procurar abrigos.