Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Aumenta o vício dos jovens por telemóveis com Internet

Cerca de um terço dos estudantes japoneses do sexto ano tem telemóvel de terceira geração. O Governo está preocupado e alerta os pais a estarem atentos aos efeitos negativos do excesso de utilização destes aparelhos.

Jovens japoneses estão a ficar tão viciados nos telemóveis com ligação à Internet que o Governo deu início a um programa a avisar os pais e as escolas para que limitem o seu uso.

O Governo japonês está preocupado com o facto de jovens do ensino básico e secundário estarem a ser arrastados para crimes do ciberespaço, perderem longas horas a trocar e-mails por telemóvel e sofrerem outros efeitos negativos do excesso de utilização de telemóveis, disse hoje Masahuru Kuba, o responsável governamental que dirige o programa de prevenção.

"Os pais japoneses estão a dar telemóveis aos seus filhos sem lhes dar pensamento suficiente", disse. "No Japão, os telemóveis tornaram-se um brinquedo caro."

As recomendações foram apresentadas por uma comissão de reforma educativa ao Governo do primeiro-ministro Yasuo Fukuda e foram aprovadas esta semana.

A comissão pede, entre outras coisas, que os fabricantes japoneses de telemóveis produzam aparelhos apenas com a função de conversação e GPS (Global Positioning System, sistema de localização global), que pode aumentar a segurança das crianças.

Cerca de um terço dos estudantes japoneses do sexto ano tem telemóvel e 60 por cento no nono ano, indica o Ministério da Educação. Muitos dos telemóveis no Japão são aparelhos sofisticados que oferecem acesso em grande velocidade à Internet, chamado 3G, terceira geração.

A comissão, no entanto, reclama melhores filtros para evitar que crianças e jovens acedam a "sites" perigosos.

Alguns jovens passam horas de noite a enviar e-mails para os amigos. A moda do momento é a "regra dos 30 minutos", segundo a qual, se uma criança não responde a um e-mail em menos de meia hora, torna-se alvo de "ataque" pelos colegas.

Outros jovens tornaram-se vítimas de crimes, ao enviarem fotografias de si próprios, acabando por ser alvo de chantagem.