Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

As comunidades são o futuro da Internet

Nos próximos anos espera-se uma participação massiva dos internautas. A aposta na rede móvel também veio para ficar.

O futuro da Internet já tem um nome: Web 2.0. Blogues, partilha de ficheiros, fóruns e chats são a grande aposta daquela que é já apelidada por “rede das comunidades”.

“Como vão ser os próximos vinte anos das tecnologias de informação?”. Foi este o tema aceso nos últimos dois dias do 16.º Congresso das Comunicações, que trouxe a Lisboa os mais reputados especialistas da área.

“A Internet começou com texto, depois vieram as fotografias, mas no futuro o conteúdo audiovisual vai ser rei”. A opinião do produtor de conteúdos, Nuno Bernardo, foi comum a todos os participantes do evento, que apontam o vídeo, o som, a interactividade e a participação massiva dos utilizadores como o caminho a seguir.

Os desafios da mudança

Em Agosto deste ano, um espectador do programa «Curto-Circuito», da Sic Radical, entrou em directo na emissão para pedir ajuda nos trabalhos de casa. Pode parecer inverosímil, mas bastou-lhe ter um telemóvel de terceira geração para que milhares de pessoas o vissem em tempo real. A história foi contada pelo responsável da Alcatel em Portugal, Guive Chafai, para provar que “as redes móveis também vão ter um papel relevante no futuro da web”.

“Os desafios da mudança passam pelos media 'on-line', pelas telecomunicações móveis e pela publicidade”, frisou Andrew Wickoff, da OCDE. No panorama nacional, “as marcas vão ter de regressar à sua função mais primitiva”, uma vez que “o ambiente competitivo” também vai disparar, completou Carlos Liz, responsável por diversos estudos de mercado do sector da comunicação.

Em Portugal, a oferta não pára de aumentar e os consumidores estão a tornar-se mais “conscientes”. Os tempos mudaram e, na opinião de Nuno Bernardo, a importância da web no futuro dos portugueses é já uma realidade: “Hoje em dia o que as pessoas discutem já não é o que passa na televisão mas sim os conteúdos que partilham na Internet”.