Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Armas apreendidas pela ASAE no Freeport

As armas eram do género "shot-guns", adaptadas ao tiro de ar comprimido utilizado naquele espaço, também encerrado.

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) apreendeu oito armas ilegais no Outlet Freeport, no sábado passado, num espaço de lazer onde funcionava um simulador de tiro.

Esta operação foi executada discretamente por uma equipa de inspectores da ASAE, enquanto as outras brigadas da autoridade encerravam e fiscalizavam restaurantes e bares, como o Expresso noticiou na edição de sábado.

As armas, do género "shot-guns" estavam adaptadas ao tiro de ar comprimido utilizado naquele espaço, também encerrado, onde os clientes disparavam contra imagens móveis num ecrã de parede. A irregularidade residia no facto de as armas não estarem devidamente identificadas como de recreio, o que é uma imposição da nova lei de uso e posse de armas. Este tipo de equipamento tem que ser pintado com cores diferentes que o distingam das armas reais.

No sábado, a ASAE tinha fechado seis estabelecimentos de restauração naquele centro comercial por falta de licença de utilização. Fiscalizou também todos os outros, tendo dado um prazo de 30 dias para apresentarem o licenciamento.

O Outlet Freeport nunca teve licença de funcionamento e por isso as suas lojas também não o conseguem obter junto à Câmara Municipal de Alcochete (CMA). Depois da operação de sábado a administração da Freeport pediu uma reunião com carácter de urgência à ASAE, que lhe foi concedida no mesmo dia, segunda-feira.

Os responsáveis do outlet informaram a ASAE que estava eminente o licenciamento da Câmara e apelaram à compreensão da autoridade. A ASAE respondeu que desde que a Câmara apresentasse um certificado para cada loja assumindo estar na posse de todos os documentos necessários para o licenciamento os estabelecimentos podiam ser reabertos.

O Expresso contactou ontem a CMA para pedir esclarecimentos ao presidente da autarquia e a porta-voz oficial garantiu que Luís Franco entraria em contacto o mais brevemente possível. O que não aconteceu até ao momento da publicação desta notícia no site.

Entretanto, os restaurantes foram já reabertos, no âmbito de um acordo feito entre a CMA, o outlet e a ASAE.