Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Almodóvar de novo entre as mulheres

Estreia hoje «Voltar», um filme em que o realizador Pedro Almodóvar centra-se no universo feminino.

Com Penelope Cruz no principal papel, «Voltar» é mais um filme do espanhol Pedro Almodóvar «dominado» por personagens femininos. As mulheres têm sido um tema recorrente na cinematografia de Almodóvar, autor de filmes como «Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos» ou do mais recente «Tudo Sobre a Minha Mãe».

Embora menos excêntrico do que na primeira fase da sua carreira, Almodóvar continua a apresentá-las dentro de um contexto de uma intensidade deslumbrante, onde as emoções e a fantasia facilmente falam mais alto que a razão.

Em «Voltar» há sexo, fantasmas, intrigas, violência doméstica e afectos cruzados. A protagonista é Raimunda (Penelope Cruz), uma mulher que viaja até à sua aldeia de Natal de La Mancha onde encontra a sua tia Paula (Chus Lampreave). Supostamente, ambos os pais de Raimunda morreram há alguns anos num incêndio, mas a tia continua a falar como se a sua mãe ainda fosse viva e na aldeia corre o boato que o seu fantasma lhe trata da casa.

Entretanto, Raimunda regressa a Madrid onde a trama da história depressa se vai complicar. A sua irmã Sole (Lola Dueñas) é uma cabeleireira que trabalha ilegalmente. O marido de Raimunda é Paco (Antonio de la Torre), um alcóolico que acaba por ser morto pela filha após ter tentado violá-la. Como se não bastasse, a um telefonema que anuncia a morte da tia sucede-se o aparecimento da mãe, que veio da aldeia de La Mancha escondida no porta-bagagens do carro de Raimunda.

O realizador diz que o filme «é uma homenagem aos rituais sociais praticados pelas pessoas da minha aldeia (La Mancha) em relação à morte e aos mortos».

Ao seu estilo, Almodóvar volta a misturar drama com uma dose generosa de humor-negro. As personagens surgem envoltas numa sensualidade sinuosa.

«Voltar» estreia esta quinta-feira nos cinemas nacionais após ter sido 
distinguido com o prémio de melhor argumento no Festival de Cannes e as cinco actrizes premiadas ex-aequo pela interpretação.