Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Alegre "tranquilo" quanto ao timing do PS

O candidato presidencial diz-se "tranquilo", mas sublinha que todos os apoios, incluindo o Partido Socialista, são necessários.  

O momento de decisão do Partido Socialista quanto ao apoio ao candidato presidencial não preocupa Manuel Alegre que afirma estar "tranquilo quanto ao timing do PS".     O Secretariado Nacional do Partido Socialista reúne-se hoje para analisar a situação política num momento em que a questão das presidenciais continua em aberto.     "O Secretariado não é o órgão que estatutariamente se pronuncia sobre as presidenciais, inicia o processo, mas não tem competência estatutária", afirma Manuel Alegre lembrando que a decisão final deverá ser tomada numa Comissão Política ou Comissão Nacional.     "Um candidato tem o seu tempo, disse Francisco Assis, e eu concordo, o candidato tem o seu tempo e o partido tem o seu processo e o seu tempo, eu já fiz o que tinha a fazer e agora estou tranquilo quanto ao timing do PS", afirma.  

"Todos os apoios são necessários" 

O histórico socialista lembra que é membro do partido, que é "candidato para ganhar as eleições", e que, portanto, "todos os apoios, e também o do Partido Socialista, são necessários".      Questionado sobre se o timing normal não seria o final do ano, tal como aconteceu com Mário Soares nas últimas presidenciais, que recebeu apoio do partido em agosto, Manuel Alegre lembrou que na candidatura de "Jorge Sampaio o apoio foi dado em abril ou maio".      A convocatória para a reunião de hoje do Secretariado aconteceu na véspera de Manuel Alegre formalizar em Ponta Delgada a sua candidatura presidencial.   Entre os dirigentes socialistas (membros do Secretariado Nacional) que estão com Manuel Alegre contam-se o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, o líder parlamentar do PS, Francisco Assis, o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello, e o líder da JS, Duarte Cordeiro.

Reservas face ao apoio 

No entanto, dirigentes ligados à máquina de campanha dos socialistas, casos de André Figueiredo e Vieira da Silva, assim como o secretário nacional para as Relações Internacionais, José Lello, e a secretária de Estado Idália Moniz têm reservas face ao apoio a Manuel Alegre.     Nesta reunião do Secretariado Nacional poderá discutir-se a questão das presidenciais iniciando-se o processo de decisão interna do PS sobre qual o candidato irá apoiar às eleições de 2011.     Entre os dirigentes socialistas, admite-se que a decisão do PS de apoiar Alegre deverá ser tomada em Comissão Nacional.     *** Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico ***  

Clique para ler a Nota da Direcção do Expresso sobre o novo Acordo Ortográfico.