Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

Acabar com chumbos é "ação de merchandising" preocupante

Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação mostrou-se preocupada com a intenção da ministra Isabel Alçada acabar com os chumbos dos alunos, considerando-a uma "ação de merchandising".

A Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação (CNIPE) mostrou-se hoje preocupada com a intenção da ministra da tutela de acabar com os chumbos dos alunos, considerando-a "avulsa" e uma "ação de merchandising".  

 

"Ficamos preocupados com este tipo de anúncios que parecem ações de merchandising em relação à educação. Uma medidas destas, avulsa, sem haver um debate, não faz sentido", declarou à agência Lusa Rui Martins, dirigente da CNIPE.  

 

Numa entrevista publicada hoje no Expresso, a ministra Isabel Alçada diz que a fórmula do chumbo "não tem contribuído para a qualidade do sistema".

Isabel Alçada quer "ter outras formas de apoio" 

"A alternativa é ter outras formas de apoio, que devem ser potenciadas para ajudar os que têm um ritmo diferenciado", adiantou a governante, acrescentando que pondera alterar as regras de avaliação durante o seu mandato, apesar de pretender um consenso e um debate alargado no setor.  

Apesar de se mostrar disponível para este debate, a CNIPE diz que é necessário primeiro "criar uma base na escola pública que dê condições a que os alunos sejam inclusos".  

"Isto tudo nos parece quase uma brincadeira" 

"Vejo com muita dificuldade que consigam vir a ser implementadas medidas destas quando não há uma série de recursos indispensáveis para levar a que

os nossos filhos tenham sucesso. Não podemos ficar satisfeitos com uma medida destas, sem antes estarem salvaguardadas um conjunto de situação. Isto tudo nos parece quase uma brincadeira", sublinhou Rui Martins.  

 

O representante de associações de pais avisou ainda que neste momento o que preocupa grande parte dos encarregados de educação é estarem "sem saber em que escola os seus filhos vão estudar em setembro".