Siga-nos

Perfil

Expresso

Atualidade / Arquivo

A tragédia vista de dentro das torres

“World Trade Center”, o filme de Oliver Stone sobre o 11 de Setembro, estreia esta semana em Portugal.

Oliver Stone escolheu a história de dois polícias que foram resgatados com vida dos escombros das torres gémeas do World Trade Center para abordar o 11 de Setembro. Cinco anos passados sobre os ataques terroristas que abalaram a América e o mundo, Hollywood começa a transpor o assunto para o cinema. Depois do recente “Voo 93”, chega-nos esta semana o filme do realizador de “Platoon” e de “Nascido a 4 de Julho”.

A película estreou na América, em Agosto, perante alguns receios de que Oliver Stone a aproveitasse para desenvolver polémicas teorias da conspiração (à semelhança do que havia feito em “JFK”, em torno do assassinato do Presidente Kennedy). Na verdade, os receios revelaram-se infundados, porque "World Trade Center" mostra, sobretudo, a desesperada luta pela sobrevivência de um pequeno grupo de polícias, que se viu encurralado entre os destroços das torres, e a onda de solidariedade que surgiu espontaneamente entre os norte-americanos. As críticas acabaram por vir sobretudo de familiares de polícias que não sobreviveram e que se manifestaram incomodados com o remexer na sua traumática história, ao contrário dos dois sobreviventes, que participaram na produção do filme.

A acção desenrola-se em torno desses dois polícias, John McLoughlin e William J. Jimeno (interpretados por Nicolas Cage e Michael Pena, respectivamente), que fazem parte do ínfimo grupo de pessoas que se encontrava dentro das torres e sobreviveu (das 2769 que lá estavam apenas 20 escaparam com vida).

O filme começa com o vulgar início de dia de trabalho numa esquadra de polícia de Nova Iorque, para pouco depois surgir a notícia da eclosão de um avião contra uma das torres do World Trade Center. Uma pequena equipa, liderada pelo sargento McLoughlin decide acorrer ao local, mas pouco depois de terem entrado numa das torres dá-se o seu desabamento. Seguem-se horas de agonia e desespero, ao longo dos quais os dois polícias presos nos escombros vão lutar para não desfalecer. 

“É uma história contada de dentro para fora. Não mostro os aviões a chocar contra as Torres porque aqueles dois homens, bem como as suas famílias, não viram os aviões a chocar contra as Torres. Preferi dar atenção ao que eles viveram, e as suas esposas e filhos, toda a equipa de salvamento. Foi um milagre terem sobrevivido”, declarou o realizador Oliver Stone em entrevista ao EXPRESSO (Única de 9 de Setembro).

O filme está a revelar-se um sucesso de bilheteira. Nos Estados Unidos e Canadá já factorou qualquer coisa como 67 milhões de dólares.