Siga-nos

Perfil

Expresso

Web Summit

O guru da publicidade que passou por Lisboa depois de estar com o Papa

Nuno Botelho

Maurice Levy é CEO do gigante francês da publicidade Publicis Groupe e deixou a sua visão sobre os desafios do digital. É uma mudança de fundo, reconhece, mas deve ser também uma aposta para todos

Poucos dias depois de estar com o Papa no Vaticano, a propósito de um curso sobre o digital na Universidade Pontífica, Maurice Levy foi o primeiro orador da Panda Conf da Web Summit, o palco para o tema do marketing, da publicidade e da tecnologia. Levy é CEO do grupo Publicis e uma das vozes mais respeitadas do mundo da publicidade.

Seja qual for o sector de atividade, todas as questões acabam hoje na forma como as empresas são afetadas pelo mundo digital e como se estão a adaptar a ele. Os media e a publicidade estão na linha da frente de uma revolução. Para Maurice Levy, o digital é um desafio que deve ser atacado de frente: "Sempre usámos tecnologia. Fomos os primeiros em França a ter um site e sempre tentámos estar à frente da curva".

O grupo francês tem um acelerador de startups em áreas distintas, que vão de negócios diretamente relacionados com a sua atividade principal a tecnologias ligadas à deteção precoce do cancro da pele. "Devemos apostar na inovação onde quer que esteja", defende
Levy.

Neste momento, 54% da receita do Publicis vem da área digital e, mesmo com a dificuldade acrescida de concorrer com startups, continua a ser possível captar talentos. Ainda que com algum esforço: "A luta pelo talento é mais dura que no passado. Ir para uma agência de publicidade é menos glamorouso que antes."

Uma das áreas mais castigadas pelo 'novo mundo' são as televisões, porque a audiência está mais fragmentada e o bolo publicitário mais repartido, reconhece Levy. Mas lembra que isso não é a morte da televisão, já que "o tempo que as pessoas usam a ver televisão é basicamente o mesmo".