Siga-nos

Perfil

Expresso

Web Summit

Lisboa pronta para a invasão dos geeks e CEO

Tristan Fewings / Getty Images

Hotéis estão perto da lotação máxima e os transportes e a segurança vão ser reforçados

Há mais de dois anos que Lisboa não via uma invasão assim. Foi em maio de 2014 que mais de 100 mil espanhóis terão rumado à capital portuguesa para assistir à vitória do Real Madrid sobre o rival Atlético na final da Liga dos Campeões.

Desta vez o motivo da enchente não tem a ver com futebol – embora também por lá estejam Figo, Rui Costa e até Ronaldinho Gaúcho, entre outros – mas com uma conferência de geeks e fundadores de startups que vão lotar durante quatro dias o Parque das Nações e durante três noites o Bairro Alto e o Cais do Sodré. São menos do que em 2014 – cerca de 50 mil –, mas chegam de praticamente todo o globo: estão representados 165 países. A Web Summit é uma verdadeira Sociedade das Nações 2.0.

Os hotéis da cidade estão prontos para a enchente, garante Cristina Siza Vieira, presidente da Associação da Hotelaria de Portugal. “A taxa de ocupação média em Lisboa já está acima dos 90%”, revelou ao Expresso. “Ainda há alguns quartos disponíveis e é natural que os preços sejam mais elevados, à semelhança do que aconteceu na final da Liga dos Campeões em 2014”.

Segundo um estudo revelado esta semana pela Trivago, o preço médio das reservas para o período da conferência (de 7 a 10 de novembro) disparou para os €198, quase o triplo do valor registado em novembro do ano passado (€73).

O efeito da conferência está também a fazer-se sentir no alojamento local. Esta semana, o Airbnb, a plataforma líder em alugueres de curta duração, anunciou que os anfitriões lisboetas vão receber cerca de 15 mil hóspedes durante a próxima semana, uma procura quatro vezes superior à registada em igual período do ano passado. No total, as reservas ascendem a 2,8 milhões de euros.

Noites animadas

A organização preparou um animado programa noturno que vai passar pelo Bairro Alto e o Cais do Sodré, os dois principais destinos dos noctívagos na capital. José Manuel Esteves, diretor da Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP), admite que a procura de restaurantes e bares “tem sido muito intensa”, mas garante que a cidade “está preparada” para acolher os “30 ou 40 mil geeks e homens de negócios”.

Os horários de funcionamento dos restaurantes e bares, assim como a sua fiscalização, não vão sofrer alterações, segundo confirma ao Expresso fonte da Câmara Municipal de Lisboa. “A presença da Web Summit não vai alterar os padrões de funcionamento da cidade”. O diretor da AHRESP assegura que o impacto económico resultante do evento – 200 milhões de euros segundo a organização – será “maior do que uma Expo e do que um Euro 2004”, tendo em conta que o evento está garantido em Lisboa durante três anos.

O evento fez também disparar, naturalmente, o volume de reservas nas companhias aéreas. A TAP, por exemplo, vai transportar mais 15% de passageiros no mercado europeu e mais 56% no mercado americano face ao período homólogo do ano passado.

No último caso, porém, a Web Summit não é a única explicação: “Houve crescimentos de oferta no Atlântico Norte nomeadamente com o lançamento de voos diários para Nova Iorque/JFK e Boston”, refere a empresa. A Easyjet também regista um impacto positivo nos lugares vendidos no período da conferência (+14%).

Reforço dos transportes

Numa parceria entre o Metro de Lisboa, a Carris e a CP, foi criado um passe exclusivo para os participantes da Web Summit, que permitirá a “utilização ilimitada” destes serviços entre este sábado e dia 13. O passe (€ 25) será vendido no Aeroporto de Lisboa e na FIL (Parque das Nações), um dos palcos do evento. De acordo com Tiago Farias, presidente da Metro de Lisboa, houve um “reforço dos pontos de venda” e as máquinas nas estações de metro “foram todas adaptadas para aceitar cartões internacionais e cartões de crédito, para que seja facilitada a compra”.

Farias garante que “não vai haver falta de bilhetes”, uma situação que se tem verificado desde setembro. O Metro não terá o horário alargado, mas haverá reforço do número de carruagens a circular nas linhas azul, vermelha e amarela, de três para seis composições, fora das horas de ponta.

Quem também quis apanhar a boleia do evento foi a Uber, a startup mais valiosa do mundo, que está desde ontem a testar, durante dez dias, o serviço de partilha de viagens Uberpool. A opção permite aos clientes partilhar a viagem com outros passageiros que vão na mesma direção e dividir o custo.

A Cooptáxis, uma das maiores cooperativas de táxis do país, vai ter balcões nos principais locais do certame, para encaminhar mais rapidamente os clientes. Foi criada também uma praça de táxis temporária, perto do local do evento, de acordo com a Câmara de Lisboa.

A PSP está a montar uma grande operação de segurança para o evento, que deverá mobilizar cerca de um milhar de agentes, incluindo todos os grupos de elite da Unidade Especial de Polícia, o que superará o dispositivo montado para a Final da Liga dos Campeões (cerca de 800 polícias). Estão previstas restrições ao trânsito na zona do Parque das Nações e junto a unidades hoteleiras onde estejam hospedados chefes de estado, revelou fonte da PSP ao Expresso.

O acesso à Internet, que foi uma das principais críticas deixadas na anterior Web Summit, em Dublin, vai ser assegurado gratuitamente na FIL e no Pavilhão Atlântico, para além da Praça do Município, onde terá lugar um dos eventos complementares na noite de quarta-feira.

O Governo quer aproveitar a embalagem do evento para lançar medidas que acelerem a inovação no turismo e permitam passar a imagem de um Portugal inovador.

Para “maximizar o impacto” do evento, a Secretaria de Estado do Turismo vai organizar, entre outras atividades, as “Sunset Summit”, dias 8 e 9, "uma montra da cultura, gastronomia e artesanato de cada uma das sete regiões de turismo nacionais", para além de concertos e espetáculos multimédia, com o intuito de “criar a vontade nestas 50 mil pessoas para que regressem”, segundo explica a Secretaria de Estado ao Expresso. “Acreditamos que a Web Summit é um palco privilegiado para a promoção do destino de Portugal”.