Siga-nos

Perfil

Expresso

Web Summit

Anfitriões lisboetas no Airbnb vão receber mais de €2,8 milhões

gonçalo rosa da silva

Cerca de 15 mil hóspedes reservaram um alojamento na plataforma online durante a semana em que decorre a conferência de empreendedorismo

Com a maioria dos hotéis da Grande Lisboa já esgotados, muitos dos cerca de 50 mil participantes da Web Summit estão a virar-se para o alojamento local: segundo o Airbnb, a plataforma líder em alugueres de curta duração, os anfitriões lisboetas vão receber cerca de 15 mil hóspedes durante a semana em que decorre uma das maiores conferências de empreendedorismo e tecnologia do mundo. No total, calcula a multinacional dos EUA, aqueles que partilham o seu espaço no site vão receber mais de 2,8 milhões de euros neste período.

Os dados da startup revelam que os principais países de origem dos hóspedes são França (2800), Reino Unido (1800), Alemanha (1500), EUA (1400) e Holanda, países que estão também no top-6 dos que têm mais participantes na Web Summit – desta lista, só os irlandeses não estão entre os que mais recorrem ao Airbnb.

Segundo o último estudo de impacto económico do Airbnb em Lisboa, divulgado em junho, 70% dos hóspedes na capital portuguesa ficarão alojados fora dos bairros históricos e, em média, vão gastar quase 40% do seu dinheiro no comércio local das zonas onde ficam alojados.

Patrick Robinson, diretor de Políticas Públicas do Airbnb para a região da Europa, Médio Oriente e África (EMEA), será um dos oradores convidados do evento. No dia 8 participará num painel que debaterá a chamada economia de partilha.

A Web Summit é uma conferência global de tecnologia que decorrerá em 2016 em Lisboa (e nos dois anos seguintes), onde são aguardados na edição deste ano mais de 50.000 participantes de mais de 150 países, incluindo mais de 20.000 empresas, 7000 presidentes-executivos e 2000 jornalistas internacionais.

  • A casa é sua, os milhões são dele

    A partir de três colchões insufláveis e de uma caixa de cereais, Brian Chesky e dois amigos construíram um negócio que pôs milhões de pessoas a dormir em casa de estranhos. Agora, querem revolucionar todo o mundo das viagens