Siga-nos

Perfil

Expresso

Web Summit

A “febre” da Web Summit

PREVISÃO. A hotelaria de Lisboa antecipa atingir em média ocupações de 85% e diárias a 163 euros

TIAGO MIRANDA

Nos dias que antecedem a conferência mundial de empreendedorismo e inovação que decorre de 7 a 10 de novembro em Lisboa, a discussão sobre o evento sobe de tom e faz Lisboa conquistar o mapa dos internautas

O maior mercado de tecnologia da Europa está a provocar um crescimento exponencial dos posts por parte dos internautas. De acordo com o estudo realizado pela E.Life – empresa de inteligência de mercado e gestão de relacionamento nas redes sociais, que está a monitorizar o impacto que a iniciativa conquista no universo digital –, desde 27 de setembro até 24 de outubro, foram registadas mais de 26 mil publicações sobre o evento. Face à última análise, que havia contabilizado, de 27 de setembro a 11 de outubro, cerca de 11.000 posts, verifica-se que o buzz nas redes sociais mais do que duplicou em apenas 15 dias.

No Twitter e Instagram, o termo “meet” é o mais mencionado pelos utilizadores, com cerca de 13 mil referências, seguido do “Web Summit”, com mais de 8.000 referências. “As publicações continuam a assumir maioritariamente uma conotação positiva, sendo realizadas em vários idiomas”, analisa a E.Life.

“#WebSummit2016 : 15 #start-up sélectionnées pour être présentes sur le #PavillonFrance de #BusinessFrance”, “Here we come Lisbon - #Websummit2016. Looking forward to hearing @AnastasiaAshley speak” ou “@IPNunes: Wizdee entre as 32 startups na corrida para um prémio na competição PITCH da Web Summit. #aceleradora #websummit2016” são alguns dos comentários que demonstram o entusiasmo dos internautas relativamente ao evento.

Já no Facebook, considerando apenas o canal oficial do evento a nível mundial, “Lisbon” continua o termo que assume maior relevo. “Very happy to be in Lisbon!”, "Looking forward to Web Summit! Lisbon 2016! Chonchol Gupta”, “Anxious! Lisbon is ready” ou, ainda, “I can help in one of those Marketing Pub Crawls and show Lisbon to everyone who its keen to join” são alguns dos posts identificados pela E.Life.

Na análise às três redes sociais, no top das hashtags está #websummit com mais de 17 mil referências, seguido de #startups com mais de 12 mil e #lisbon com cerca de 11.500 menções.

Recorde-se que já há mais de 50 mil participantes confirmados. E segundo um inquérito da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), realizado em setembro, os hotéis de Lisboa preveem para os dias da conferência, com base em reservas já efetuadas, atingir em média ocupações de 85% e diárias a 163 euros - o dobro do preço médio em novembro do ano passado (73 euros).

Franceses, britânicos, portugueses e espanhóis lideram, por esta ordem, as reservas de hotéis para o evento.

Ao todo, são 164 os países que vão marcar presença no evento, sendo que o maior contingente vem do Reino Unido, seguindo-se a Alemanha, a Irlanda e os Estados Unidos.

Estima-se que o impacto económico imediato da Web Summit, incluindo hotéis, táxis e restaurantes, chegue aos 200 milhões de euros.