0
Anterior
Um russo na corrida
Seguinte
Tons de Vermeer
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Cultura  >  Berlim 2010  >   Wakamatsu, um mestre
CINEMA: BERLIM 2010

Wakamatsu, um mestre

"Caterpillar" é uma crónica cruel e radical sobre a mais trágica página da história moderna do Japão. Sem hesitações: uma obra-prima absoluta. Veja o vídeo no fim do texto. Clique para visitar os Postais Berlim 2010
|
Kurokawa (Shinobu Terajima): o deus da guerra
Kurokawa (Shinobu Terajima): o deus da guerra

- "Why do you make films?"
- "The starting point is when I get angry." (Kôji Wakamatsu)

Kôji Wakamatsu é uma figura que impõe respeito e o seu novo filme, "Caterpillar", um monumento. Nascido em 1936, em Miyagi, Wakamatsu chega a Tóquio com 17 anos. Não tarda muito a tornar-se um "yakuza." É preso. Em liberdade, escreve um livro sobre a sua experiência na cadeia e o abuso do poder.

Clique para aceder ao índice dos POSTAIS BERLIM 2010

Começa a fazer filmes (tem mais de cem no currículo), a partir de 1959, primeiro na TV, depois no cinema. Os seus "pinku eiga" (filmes eróticos) marcam os anos 60 e definem-no como cineasta marginal e subversivo.

A partir de 1965, ele funda a sua própria companhia de produção e dirige "Secrets Behind the Wall." Apresentado em Berlim, nesse ano, o filme causa incidente diplomático entre a Alemanha e o Japão.

Política


O erotismo desses filmes não é banal: serve um discurso político. É uma arma de arremesso contra o poder. Os heróis de Wakamatsu são uma juventude em crise. A produção é frenética: o realizador roda quatro a cinco filmes por ano nas décadas de 1960 e 1970. A mise-en-scène é aplicada e eficaz, à medida que a violência e o sexo, em filmes como "Violated Angels" ou "Sex Jack", se vão tornando cada vez mais excessivos. São manifestos anarquistas. Enfurecem as autoridades nipónicas. São banidos na China, na Rússia, nos EUA.

Nesses anos 1970 em que Wakamatsu produz "O Império dos Sentidos", filme de Nagisa Oshima coberto de infâmia, ele está ligado à luta armada do Exército Vermelho Japonês, movimento de extrema-esquerda fundado por universitários. "United Red Army", o seu penúltimo filme, foi apresentado aqui em Berlim, em 2008. Fazia uma cronologia detalhada do movimento político, do seu nascimento à sua auto-destruição, misturando ficção e imagens de arquivo.

Violência


Para compreender melhor os jovens revolucionários dos anos 60 e 70, Wakamatsu decidiu interrogar a geração dos seus pais. A geração que combateu no Pacífico durante a II Guerra Mundial. "Caterpillar" adapta livremente uma história de Rampo Edogawa e começa em 1940. É uma crónica cruel sobre a mais trágica página da história moderna do Japão. Fala de um soldado japonês, Kurokawa, que, depois da II Guerra Sino-Japonesa, volta para casa, condecorado e promovido a tenente, mas privado dos braços, das pernas, da audição e da fala. Tem a cara transfigurada.

A catástrofe é anunciada, mas a frente de batalha de "Caterpillar" decorre entre quatro paredes. É que, com o regresso de Kurokawa a casa, toda a responsabilidade social e política passa para Shigeko, a mulher do herói de guerra. O Império impõe-lhe a missão: ela tem que cuidar dele. "Mas aquela coisa já não é o meu marido", diz Shigeko. "Aquela coisa" é um tronco humano sem membros, incapaz de ouvir e de falar.

Porém, mesmo amputado, Kurokawa é uma 'máquina sexual' insaciável que força a esposa a fazer o que ela não quer. E é sobretudo pelo sexo, tal como em certos filmes de Imamura, que a violência política se perpetua, agora numa história contada a dois. Entretanto, o Japão já atacou Pearl Harbor...

Traumatismo


Shigeko (papel de uma grande actriz japonesa: Shima Ônishi) começa a perceber que as relações de poder do casal mudaram. E o marido, pouco a pouco, começa a transformar-se no monstro físico que é. Ficamos por aqui.

Para isto muito contribui a performance de Shinobu Terajima, uma das mais extraordinárias de todo o cinema: como a sua personagem não tem membros nem direito à fala, o jogo passa sobretudo por uma sucessão de gemidos, esgares e pela expressão dos olhos.

A performance é tão violenta que anula toda a retórica: sobre este ponto, "Caterpillar" é o oposto absoluto de "Johnny Got His Gun", de Dalton Trumbo, que tem história semelhante.

Quem é Kurokawa? Pode ser um Japão altivo e imperialista que agora caminha para o colapso. Um Japão exangue pelas imagens de arquivo das bombas atómicas de Hiroshima e Nagasaki que lançam a conclusão anti-belicista do filme.

Pode ser também, e simplesmente, a história de uma relação sórdida. O pesadelo de um cineasta "zangado" com o passado e com as suas consequências no presente. "Caterpillar" é uma experiência alucinante. Um tratado alegórico sobre a história recente do Japão e o seu martírio. Está à mesma altura de "Patriotismo", livro e filme de Yukio Mishima.

Sabu


Kanikosen, de Sabu

O japonês Tanaka Hiroyuki, que responde pelo nome de Sabu, apresentou "Kanikosen" (significa "barco fabril"), adaptado do um homónimo romance, escrito há mais de 80 anos (por Takiji Kobayashi) e recentemente tornado best seller no Japão, durante a crise económica. Não tem nada que ver com "Caterpillar" porque tudo em Sabu é uma questão de representação (da submissão humana). Pode mesmo dizer-se que o décor do filme, um gigantesco barco de pesca, se aproxima de um palco de teatro contemporâneo e que é o elemento mais importante da narrativa.

A vida dos pescadores no barco é uma tortura permanente que os leva à morte ou ao suicídio: os marinheiros têm por missão pescar sem parar para alimentar as linhas da frente da batalha contra o inimigo russo. A 'revolta dos escravos' que vem depois faz pensar em "Couraçado Potemkin." O livro passava-se na I Guerra Mundial mas o filme não tem data precisa. É o filme mais performativo de Sabu.

Caterpillar (Japão)
de Kôji Wakamatsu
(Selecção Oficial - Competição)

Kanikosen (Japão)
de Sabu
(Forum)


Para mais informações consulte o site oficial do Festival de Cinema de Berlim 2010



Opinião


Multimédia

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 0 Comentar

Últimas

Ver mais

Pub