E vão três. Mais um Bush na fila para a presidência

Anterior
Associação 25 de Abril recusa celebrações oficiais da Revolução
Seguinte
Morreu o ator que se enforcou em palco
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   "Vice-rei do Norte" quer um novo 25 de abril, mas popular

"Vice-rei do Norte" quer um novo 25 de abril, mas popular

General Pires Veloso diz que tem de haver um um novo 25 de abril, mas não podem ser os militares a fazê-lo. "Para mim, o povo é que tem a força toda".
Pires Veloso (à direita) lamenta a existência de «um gangue que tomou conta do país»
Pires Veloso (à direita) lamenta a existência de «um gangue que tomou conta do país» / Sérgio Granadeiro

O general Pires Veloso, um dos protagonistas do 25 de novembro  de 1975 que naquela década ficou conhecido como "vice-rei do Norte", defende um novo 25 de abril, de raiz popular, para acabar com "a mentira e o roubo institucionalizados".

"Vejo a situação atual com muita apreensão e muita tristeza. Porque sinto que temos uma mentira institucionalizada no país. Não há verdade. Fale-se verdade e o país será diferente. Isto é gravíssimo", disse hoje, em entrevista à Lusa.

Para o general, que enquanto governador militar do Norte foi um dos principais intervenientes no contra-golpe militar de 25 de novembro que pôs fim ao "Verão Quente" de 1975, "dá a impressão de que seria preciso outro 25 de abril em todos os termos, para corrigir e repor a verdade no sistema e na sociedade".

Pires Veloso, 85 anos, considera que não poderão ser as forças militares a promover um novo 25 de abril: "Não me parece que se queiram meter nisto. Não estão com a força anímica que tinham antigamente, aquela alma que reagia quando a pátria está em perigo".

"Para mim, o povo é que tem a força toda. Agora é uma questão de congregação, de coordenação, e pode ser que alguém surja" a liderar o processo.

Inversão de valores


E agora que "o povo já não aguenta mais e não tem mais paciência, é capaz de entrar numa espiral de violência nas ruas, que é de acautelar", alertou, esperando que caso isso aconteça não seja com uma revolução, mas sim com "uma imposição moral que leve os políticos a terem juízo".

Como solução para evitar que as coisas se compliquem, Pires Veloso defendeu uma cultura de valores e de ética. "Há uma inversão que não compreendo desses valores e dessa ética. Não aceito a atuação de dirigentes como, por exemplo, o Presidente da República, que já há pelo menos dois anos, como economista, tinha obrigação de saber em que estado estava o país, as finanças e a economia. Tinha obrigação moral e não só de dizer ao país em que estado estavam as coisas", defendeu.
Pires Veloso lamentou a existência de "um gangue que tomou conta do país. Tire-se o gangue, tendo-se juízo, pensando no que pode acontecer.

E ponha-se os mais ricos a contribuir para acabar a crise. Porque neste momento não se vai aos mais poderosos".

O general deu como exemplo o salário do administrador executivo da Eletricidade de Portugal (EDP) para sublinhar que "este Governo deve atender a privilégios que determinadas classes têm".

"Não compreendo como Mexia recebe 600 mil euros e há gente na miséria sem ter que dar de comer aos filhos. Bem pode vir Eduardo Catroga dizer que é legal e que os acionistas é que querem, mas isto não pode ser assim. Há um encobrimento de situação de favores aos mais poderosos que é intolerável. E se o povo percebe isso reage de certeza", disse.

Para Pires Veloso, "se as leis permitem um caso como o Mexia, então é preciso outro 25 de abril para mudar as leis", considerando que isto contribui para "a tal mentira institucionalizada que não deixa que as coisas tenham a pureza que deviam ter".

Casos como este, que envolvem salários que "são um insulto a um povo inteiro, que tem os filhos com fome", fazem, na opinião do militar, com que em termos sociais a situação seja hoje pior, mesmo, do que antes do 25 de abril: "Na altura havia um certo pudor nos gastos e agora não: gaste-se à vontade que o dinheiro há de vir".

Inversão do 25 de abril


Quanto ao povo, "assiste passivamente à mentira e ao roubo, por enquanto. Mas se as coisas atingirem um limite que não tolere, é o cabo dos trabalhos e não há quem o sustenha. Porque os cidadãos aguentam, têm paciência, mas quando é demais, cuidado com eles".

"Quando se deu o 25 de abril de 1974, disseram que havia de haver justiça social, mais igualdade e melhor repartição de bens. Estamos a ver uma inversão do que o 25 de abril exigia", considerou Pires Veloso, para quem "o primeiro-ministro tem de arrepiar caminho rapidamente".

Passos Coelho "tem de fazer ver que tem de haver justiça, melhor repartição de riqueza e que os poderosos é que têm que entrar com sacrifícios nesta crise", defendeu, apontando a necessidade de rever rapidamente as parcerias público-privadas.

"Julgo que Passos Coelho quer a verdade e é esforçado, mas está num sistema do qual está prisioneiro. O Governo mexe nos mais fracos, vai buscar dinheiro onde não há. E, no entanto, na parte rica e nos poderosos ainda não mexeu. Falta-lhes mais tempo? Não sei. Sei é que tem de mudar as coisas, disse Pires Veloso".


Opinião


Multimédia

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.


Comentários 113 Comentar
ordenar por:
mais votados
Estranho...
«Quanto ao povo, "assiste passivamente à mentira e ao roubo, por enquanto. Mas se as coisas atingirem um limite que não tolere, é o cabo dos trabalhos e não há quem o sustenha. Porque os cidadãos aguentam, têm paciência, mas quando é demais, cuidado com eles".»

Ora bem, suponho que quando se proferem frases ou ideias como as acima transcritas, se está a pensar num povo idílico, um povo que não existe, porque se descreve algo que está longe da realidade. Isto porque se o povo português nem sequer vai votar (o que dizer dos níveis de abstenção altíssimos em praticamente todos os sufrágios?), como é que se pode pensar que ele se vai revoltar contra o governo no poder?! Há legitimidade para isso? E há vontade?

Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
Re: Estranho...
PAUEM O QUE DEVEM!!
Re: PAUEM O QUE DEVEM!!
Re: Estranho...
Pires Veloso
Personalidade de direita, bom observador da sociedade actual, aflige-se com as diferenças abissais entre ricos e pobres.
De facto os rendimentos desses administradores são escandalosos, há gente a receber por dia o que um reformado recebe num ano.O ministro Gaspar deixou toda essa gente de fora e anda a tosquiar pobres borregos de 600 euros.

Foi com prazer que vi uma referência a alguém que conheço há 55 anos (deu-me a recruta)

Longa vida , se deseja.......
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
Re: Pires Veloso
da direita? que direita?
Será na cabeça do srª general em proveta idade
uma revolta popular de "malmequeres", não de cravos...
Será que a síndrome do "emplastro" se está a estender aos oficiais aposentados ?
Como referiu o Monroe, este povo adormecido neo amurdaçado nem se empenha na urna, nem faz "politica" nas ruas, nem forma novos partidos e/ou correnstes de opinião num contexto de uma democracia "pró-activa" de empenho e cidadania, quanto mais revoltas ou revoluções !
As revoltas dever-se-iam virar para os responsáveis directos que conduziram Portugal até à total perda de soberania por muitos e largos anos !
Ao contrário muitos desses responsáveis, até são agraciados, pasme-se! co, símbolos de mérito público !!!
Oh, senhor general, escreva um romance de guerra e paz, para passar o tempo ou leve os netos a passear...
No caso de Cavaco o sr. General
Os CRAVOS vencerão os cravas Salazarentos !
"Quando o boi está à mangedoura,dêem-lhe palha"
E não lhe cocem a barriga", acrescentava o Prof.Paulo Quintela.da Universidade de Coimbra em 1975.
Queria ele dizer com isto que os generais quando já estão reformados e com as pantufas calçadas,o que querem mesmo é a reforma a horas e que lhe não tirem as mordomias.
Tinha razão o falecido Paulo Quintela.
Veloso, o General está com mêdo que lhe toquem na creforma.
Só isso!
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Re:
Portugal está transformado numa panela de pressão
As tensões sociais estão-se a acumular como que numa panela de pressão , fruto de só austeridade em cima de austeridade , este governo , estas elites que governam o país perderam completamente a autoridade moral , só baseiam já o seu poder e a sua defesa através da coacção e do uso da força por parte da polícia.

Com as tensões sociais crescentes na panela de pressão que este país está tornado , se este processo não for revertido , vai chegar ao ponto em que apenas um qualquer triste acontecimento , um incidente menor , levará a uma explosão social incontrolável por todo o país.
Re: Portugal está transformado numa panela de pres
Re: Portugal está transformado numa panela de pres
Re: Portugal está transformado numa panela de pres
Outro? Não chegou um?
Para criar mais um rol de políticos nascidos sabe-se lá de baixo de que pedra a apreoveitarem-se da situação?
Não, muito obrigado!
Re: Outro? Não chegou um?
A válvula da panela de pressão está a soltar-se...
quando um homem militar sempre ligado à Direita vem dizer....

que lamenta a existência de «um gangue que tomou conta do país...

Se juntar esta declaração com a de Otelo e agora a da Associação do 25 de abril...

as coisas estão mesmo a ultrapassar os limites....
Re: A válvula da panela de pressão está a soltar-s
Re: A válvula da panela de pressão está a soltar-s
Re: A válvula da panela de pressão está a soltar-s
Re: A válvula da panela de pressão está a soltar-s
Re: A válvula da panela de pressão está a soltar-s
Re: A válvula da panela de pressão está a soltar-s
ESTRAGARAM, DEPRAVARAM, ABASTARDARAM ...
O 25 de Abril de 74 ... e agora é preciso um novo ...

Quem foi ???!!!

Foi o poder político e o poder económico ...

E a manterem-se os mesmos protagonistas ... eles fazem a um eventual novo 25 de Abril ... exactamente o mesmo que fizeram ao 25 de Abril de 74 ...

Estragam-no, depravam-no e abastardam-no ...
Já cá canta, diz o título. A quem, pergunto eu
12 mil milhões são para a banca + 15 mil milhões para o BPN e para a Madeira, ambos laranja. Só aqui já temos 35% do valor do empréstimo que o POVO está apagar "porque não há alternativa", dizem aqueles que tudo fizeram para ir ao "pote". Depois de chegados ao "pote" lançaram medidas que nem de perto nem de longe, para muito pior, são parecidas com aquelas que os outros queriam mas que estes não deixaram porque "o sacrifício do povo tem limites" e não se podia aumentar mais os impostos e as privatizações eram um crime...

Para que servem as medidas de austeridade que paralisaram a economia lançando milhares de trabalhadores no desemprego, levando à falência milhares de empresas, roubando salários e os 13º e 14º meses, facilitando os despedimentos, diminuindo o valor das indemnizações, aumentando o gás e a electricidade, aumentando os transportes e as taxas moderadoras, privatizando tudo e mais qualquer coisa ao desbarato, sacando o fundo de pensões da banca dando o dinheiro aos bancos e os à encargos à Segurança, proibiram as reformas antecipadas...

Sim, para que serviu tanto roubo ao povo e ao património???

Falam em aumentar a idade da reforma; este será o futuro:

goo.gl/dCFGv

Sr General
O Sr. é mais um desiludido e enganado como muitos milhares que pensávamos que saíamos de uma ditadura para ter uma democracia onde todos nos pudéssemos orgulhar, mas afinal a democracia saiu uma seita de metralhas ainda pior que o Salazar
desiludido acredito...
Re: desiludido acredito...
os metralhas do sucialismo
Re: os metralhas do sucialismo
Re: os metralhas do sucialismo
Vice Rei do Norte quer um novo 25 de Abril
Quando se levantou a polémica de Catroga ir para a EDP com o vencimento escandaloso à pergunta de Judite de Sousa na TV, Medina Carreira não quis comentar, mas sempre foi dizendo que isto ainda vai correr mal. Acrescentou ainda como se sentiria uma pessoa que ganha 600 euros. Na verdade andam a gozar com a tropa como se costuma dizer. Foi por injustiças iguais e parecidas que se deu a Revolução Francesa e a de Outubro. Há dias D. Januário Bispo das FA tecia fortes criticas ao executivo. Aconselho a quem de direito a ler nas entrelinhas. A continuar assim a tampa vai saltar.

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/hora-da-liberdade25474.html

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/seres-decentes-ramalho-eanes.html?utm_source=BP _recent

viriatoapedrada.blogspot.pt/2012/04/blog-post_06.html
FALA,SUXIA!!
sabes, esse clone e pago para isso...
O povo é burro que nem um calhau, ó camarada!
O povo!?!?

O mesmo povo que tem nas suas mãos votar nos governantes, de 4 em 4 anos, e que acaba por votar sempre nos mesmos? Estamos a falar desse povo?

Lá força tem o povo, falta é uma coisa muito importante: inteligência.

Já agora, qual é a reforma deste general Pires Veloso? É que estes militares da abrilada é que a levam direita!!
Re: O povo é burro que nem um calhau, ó camarada!
cá e lá fora
começam a soprar ventos de mudança. Quem tudo quer, tudo perde...
ABRAM OS OLHOS DEMOCRATAS!
A tirania totalitaria não se edifica sobre as virtudes dos totalitarios mas sobre as faltas dos democratas.
A política é a arte de servir-se dos homens fazendo-lhes crer que se os serve a eles.
Ninguém pode adoptar a política como profissão e seguir sendo honrado.
Associação 25 de Abril recusa celebrações oficiais
Afinal muita gente já se apercebeu que o governo está longe de se identificar com o 25 de Abril.
Só quem está ao pé do pote, acha que está tudo bem, que temos uma democracia plena, etc, etc!
Comentários 113 Comentar

Últimas

Ver mais

Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub