Anterior
A programação da Metropolitana para o ano da sua maioridade
Seguinte
Imprensa internacional: Angelina Jolie de visita ao Iraque
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   Verão: Onde pode desfrutar da praia... totalmente nu

Verão: Onde pode desfrutar da praia... totalmente nu

Significando mais do que simplesmente andar nu, o naturismo tem cada vez mais adeptos em Portugal. Conheça aqui quais as praias onde pode despir a roupa e os preconceitos.
|
Ao todo são mais de vinte praias de norte a sul do país

Ser naturista é muito mais do que andar nu. Para quem tem dúvidas sobre o conceito, a Federação Portuguesa de Naturismo desmistifica: "É uma forma de vida em harmonia com a natureza, traduzida na prática da nudez colectiva, com o propósito de favorecer o respeito por si mesmo, pelos outros e pelo meio ambiente".

Dispa-se da roupa e dos preconceitos e conheça aqui o roteiro das praias oficiais e toleradas, de norte a sul do país, onde este verão pode desfrutar da natureza tal e qual como veio ao mundo.



ROTEIRO DE PRAIAS NATURISTAS

PRAIAS OFICIAIS


Praia da Belavista: Concelho de Almada, entre a Costa da Caparica e a Fonte da telha

Praia do Meco: Concelho de Sesimbra, entre a lagoa de Albufeira e o Cabo Espichel, na zona entre a praia do Moinho de Baixo e a praia das Bicas

Praia do Salto: Concelho de Sines, entre a praia do Cerro da Águia e a praia da Cerca Nova, a norte da praia Grande de Porto Covo

Praia dos Alteirinhos: Concelho de Odemira, a sul da praia da Zambujeira do Mar

Praia das Adegas: Concelho de Aljezur, a sul da praia de Odeceixe.

Praia do Barril: Concelho de Tavira, na Ilha de Tavira, 750 metros a oeste da concessão da praia do Barril

 

PRAIAS TOLERADAS


Praia da Estela: Concelho de Póvoa de Varzim, próxima do Camping Orbitur de Rio Alto

Praia do Palheirão: Concelho de Cantanhede, entre a praia da Mira e praia da Tocha

Praia da Cova-Gala: Concelho da Figueira da Foz, a sul da praia de Cova

Praia do Salgado: Concelho da Nazaré, entre Nazaré e São Martinho do Porto

Praia da Ursa: Concelho de Sintra, entre o Cabo da Roca e Colares

Praia da Adiça: Concelho de Sesimbra, a sul ta praia da Fonte da Telha

Praia da Comporta: Concelho de Alcácer do Sal, a sul da praia da Comporta

Praia do Monte Velho: Concelho de Santiago do Cacém, perto de Santo André, a sul da lagoa

Praia das Furnas-Sul: Concelho de Odemira, depois de Vila Nova de Milfontes, a sul da praia das Furnas

Praia do Malhão: Concelho de Odemira, entre Porto Covo e Milfontes, na zona norte da praia do Malhão

Praia do Beliche: Concelho de Vila do Bispo, entre a Ponta de Sagres e o Cabo de São Vicente

Praia de Cabanas Velhas: Concelho de Vila do Bispo, entre Lagos e Vila do Bispo, depois do Burgau

Praia das Furnas: Concelho de Vila do Bispo, entre Lagos e Vila do Bispo, à esquerda depois da Aldeia da Figueira

Praia do Zavial: Concelho de Vila do Bispo, perto da localidade de Raposeira, entre Lagos e Vila do Bispo dêm

Praia da Bordeira (Carrapateira Norte): Concelho de Aljezur, um pouco a norte da praia da Carrapateira

Praia do Canavial: Concelho de Lagos, entre a Ponta da Piedade e a praia de Porto de Mós

Praia dos Pinheiros: Concelho de Lagos, entre a Ponta da Piedade e a Praia do Camilo

Ilha da Armona: Concelho de Olhão, na Ilha da Armona, junto à Fuzeta, a oeste da zona de habitações e cais de embarque

Praia das Quatro Águas: Concelho de Tavira, na Ilha de Tavira, a oeste da última concessão da Praia das Águas

 


Opinião


Multimédia

Os assassínios, as execuções, as decapitações são as imagens mais chocantes de uma propaganda cada vez mais sofisticada. É a Jihad, que recruta guerrilheiros no ocidente para matar e morrer na Síria. O Expresso seguiu as pisadas de cinco jiadistas portugueses, mostrando quem são e como foram convertidos e radicalizados. E como lutam, como foram morrer - e como já haverá arrependidos com medo de fugir. Reportagem em Londres, no café onde viam jogos de futebol, na universidade onde estudavam e na mesquita onde rezavam. Autoridades e especialistas em terrorismo estão alerta sobre este pequeno mas perigoso grupo, onde corre sangue português - e de onde escorre sangue por Alá.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.

Geração Z

Mais rápidos, mais capazes, mais solitários, os Z vivem agarrados aos ecrãs, pensam com a ajuda da internet e estão permanentemente preocupados com a bateria do telemóvel. Que geração é esta que nasceu com a viragem do século?

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.


Comentários 35 Comentar
ordenar por:
mais votados
Asneiradas
Eu até entendo que uma pessoa goste de andar em pelota, seja por exibicionismo, seja por vaidade, seja por não gostar das marcas de roupa no bronzeado, seja porque não gosta de areia no fato de banho, ou o que for. Agora dizerem-me que um fulano andar nu na praia "é uma forma de vida em harmonia com a natureza, traduzida na prática da nudez colectiva, com o propósito de favorecer o respeito por si mesmo, pelos outros e pelo meio ambiente" é a mesma coisa que me dizerem que andar de fato de banho na praia "é uma forma de vida anti-natura, traduzida na prática do pudor colectivo, com o propósito de promover a vergonha de si mesmo, dos outros e do meio ambiente".
Eu até estou disposto a despir a roupa. Já pratiquei nudismo em Portugal e no estrangeiro. É-me igual ao litro. Já quanto aos preconceitos, parece-me bem que que quem tem de começar a se despir deles é essa coisa extraordinária chamada Federação Portuguesa de Naturismo.
A nudez colectiva...
Lei nº29/94 de 29 Agosto, DR nº194/94 Série I - A
Re: Lei nº29/94 de 29 Agosto, DR nº194/94 Série I
Deixem lá a palavra nua...
A propósito de nudez e pudicícia, por que insistem as pessoas em vestir a palavra "nu" com um acento gráfico?

Tirem lá o sinal e verão como a nudez fica ainda mais bonita!

Cumprimentos!

P.S. - Já agora, recomendo a visita a um post acerca da publicidade agressiva no site do Expresso: http://boblog.adrianocast...
Re: Deixem lá a palavra nua...
Re: Deixem lá a palavra nua...
As "descobertas" do nudismo
Já frequentei praias de nudismo em vários locais, incluindo os Estados Unidos da América, onde fui pela primeira vez e confesso que não me senti à-vontade nos primeiros minutos até perceber que se acaba por ficar na maior ao repararmos que está cada um na sua. Recordo que, na altura, o que mais me impressionou foi a empregada que me levou as bebidas e que... vestia mini-saia e um ligeiro body. Sabem, pareceu-me amulher mais linda naquela praia!!! Mais uma vez coloquei-me na posição de que o que uma muher tem de mais belo é sempre o que não se vê... E até pode ser a "alma".
Re: As
Re: As
Re: As
Re: As
Pontos NUS iis
Nudismo e naturismo são modas recentes; muito recentes, de facto, se olharmos para a história do mundo civilizado. O nudismo dos povos sem escrita, é uma coisa bem diferente. Muito diferente, de facto. Curiosamente, não são poucos os preconceitos com que o movimento naturista se apresenta. Por exemplo, como já alguém aqui referiu, dizer que o nudismo é sinónimo de respeito pela natureza e de vida em harmonia com a mesma, ainda que possa acontecer, é, de facto, uma pura falácia. Lamentavelmente, pode até ser uma falácia muito perigosa. Mas o meu problema com o nudismo é o seguinte: o nosso corpo é um espelho da nossa alma; expor o corpo a 100% significa, por isso, expor-se sem reserva; colocar à disposição do olhar dos outros, por vezes, ou não raro, muito intrusivo, aquilo que, de facto, não se pode dar. Não se pode dar a todos, quero eu dizer. A partilha da intimidade, por definição, tem de permanecer uma coisa íntima. É algo de muito especial. Por isso, o nudismo só pode, a meu ver, resultar num grande esvaziamento da pessoa, caso seja esse um nudismo de exibição, que não o nudismo da partilha de si. Em suma, penso que o problema tem sobretudo a ver com o difícil equilíbrio que é sempre preciso manter, na nossa vida de espíritos encarnados, entre o interior e o exterior, entre o dentro e o fora, entre o falar e o estar calado. Ora, nas actuais circunstâncias, um corpo nu não pode mais estar calado. Mesmo que não queira, acaba sempre por dizer tudo. Ou até mais do que tudo.
ESCALDÕES
Já fiz nudismo (por conta própria) nas dunas de Francemar e nas dunas de Angeiras., mas não aconselho a ninguém por causa dos «escaldões».
Na praia totalmente nu
Não sou a favor nem contra, pois cada um deve comer do que gosta se tiver essa possibilidade. Os tabus não passam disso mesmo. Um extraterreste encontrará tão ridículo uma mulher muçulmana tapar a cara como uma catolica não o fazer. São preconceitos por vezes impostos por religiões, como um indiano não comer carne de vaca e um muçulmano não comer porco e os europeus apreciarem as duas. Os miudos na minha infância sempre tomaram banho nus na ribeira e nunca ninguém os criticou. Hoje todos vestem fato de banho. Mudam-se os tempos mudam-se as vontades e alguns preconceitos permanecem.
portugal a nu
é a crise...
já não há dinheiro nem para fatos de banho!
Modernismo?... não creio! é mais uma moda... e os portugueses adoram copiar tudo. Por isso nos resta muito pouco de "português", infelizmente...
A praia!
Eu gostava é de saber qual é "a" praia onde está a jovem naturalista na foto que ilustra a notícia.
Qual é "esta" praia?
:)
Re: A praia!
Re: A praia!
Re: A praia!
Re: A praia!
Re: A praia!
Re: A praia!
Re: A praia!
O único que nasce nu


O Criador vestiu todos os animais com pêlos ou peles especiais. Todos tem que passar a vida com a mesma vestimenta. O único animal que nasce sem vestimenta natural é o animal humano. É o único que tem liberdade de escolha para tudo inclusive a liberdade de se vestir a seu próprio gosto, mas não pode viver nu, talvez por que não tem cio como as outras espécies. Se vestido, o animal humano, macho, quer fazer sexo mesmo quando a fêmea não está afim, então imagino que, com a nudez liberada, não havia condição de constituir família nas regiões tropicais. Nesse caso. a salvação da família só seria possível nas regiões geladas.
  A maioria gosta de ver as mulheres dos outros e as filhas nuas, mas não quer que a sua mulher e filhas sejam vistas nuas pelos outros. O livre raciocínio exige disciplina e ética para ser menos perigoso. Com esta opinião, não quero dizer que a nudez deva ser totalmente proibida, mas deve ficar limitada a pequenas áreas das praias ou ilhas da fantasia. A generalização seria um desastre A seminudez ( saia curta . decote exagerado na blusa curta e a transparência já é mais que suficiente excitar a tara que prejudica sobre tudo os adolescentes .
Obrigado pelo convite mas não gosto!
Acho sexy os biquinis, uns mais curtos outros cavados que fazem sobressair as formas... mas que não deixam ver!
Já agora... também me sinto sexy dentro dos meus calções até ao joelho, posso jogar à bola e dar pontapés de bicicleta sem fazer um entorse nas pendências!

Nu... não crítico! Mas é como as touradas... só na cama!
Segundo soube
as pessoas que gostam de ir a praias nudistas é porque, além de não serem pudorosas, gostam de serem olhadas ou, não lhes importa que o resto do pessoal olhe para o seu corpo.

Mas, que é que assegura que estão todos aí com o mesmo pensamento?

Já houve casos de "mirones salidos" que vão com ideias lascivas e pervertidos que terminaram "tocándose" enquanto olhavam para as pessoas que estavam lá.

Com tanta quantidade nojenta que há por aí solta, cómo é possível que estas pessoas não se preocupem pelo que possa acontecer? Até há vídeos feitos com telemóveis nestas praias!!

Às vezes, não compreendo a ligereza com que se tomam certos assuntos já que, ao parescer, há famílias que até levam os seus filhos... e, se calhar influenciad@ pelos últimos casos acontecidos na Espanha mas, acho que é uma provocação para esses desequilibrados pederastas!!

Se nos salvaguardamos das nossas intimidades com as roupas, por quê desvestirnos na praia ao alcanze de todas as miradas possíveis?
Ora pensem um pedacinho...
A nudez em colectivo é uma expressão de natureza humana. A sua incompreensão é provocada pela psicose lusitano-cristã contra a nudez. É evidente que existem, sempre e em todas as expressões humanas, excessos e desvios inaceitáveis e puníveis; considerar, no entanto, que nudismo é perversão é negar os princípios do criador. Se ele, de facto existe, nunca nos proibiu a nudez. Olhem para as favelas onde se passeiam as miseráveis crianças nuas...
Como apenas 6 praias oficiais, incomodam tantos!
Cada vez fico mais estupefacto com a preocupação que se dedica às virtudes dos outros. Atentando aos comentários precedentes, fazem-se inúmeros juízos de valor, na generalidade pejorativos, com algo que não interfere com nenhuma liberdade individual ou mesmo como "atentado ao pudor" (será que a nudez, hoje, ainda poderá assim ser considerada?), uma vez que só será confrontado com o nudismo nestas escassas praias, quem, não o praticando e até criticando, insista ingenuamente(!??) em frequentá-las e até, muitas vezes, fazendo-se acompanhar das respectivas famílias (oh, que exemplo de depravação!), mostrando-se depois incomodados com tanta "pouca vergonha"(!), apesar de, para lá chegarem terem tido certamente, um árduo percurso com centenas de metros, ou mesmo alguns quilómetros, de praia "apropriada". Porque todas as poucas praias onde o naturismo se pratica, são muito afastadas ou recônditas. De qualquer forma e apesar de tanto "desconforto"(?), curiosamente, não arredam pé...
Termino, fazendo minhas as palavras de Clara Ferreira Alves, na sua crónica desta semana, com as respectivas adaptações ao assunto:
“Muitas coisas que nos ofendem são inofensivas, incluindo o ‘nudismo’, enquanto as verdadeiras ofensas à humanidade passam despercebidas. O extermínio deixa-nos menos ofendidos do que ‘umas quantas pessoas despidas’. A violência deixa-nos mais indiferentes do que ‘a nudez de alguém’.”

Vou para praias onde...
sei que há pouca gente. Na costa alentejana basta andar uns metros fora da zonas licenciadas e depois estou como quero. Despido ou com roupa. É conforme o apetite.

ahahahahah
Chamam praia do Monte Velho à de Santo André. Nunca mais lá chegam...
Perguntem pela praia da vacaria.
Em Gaia não há nenhuma!
Com 15km de costa, podia haver uma praia com essas características, talvez a zona que fica situada entre o hotel da Granja e a zona do Rio Largo em Espinho.
Comentários 35 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador

PUBLICIDADE

Pub