57
Anterior
Freitas e Andrade continuam quartos em 49er
Seguinte
China contra-ataca: "Nunca questionámos as medalhas de Phelps"
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Desporto  >  Jogos Olímpicos 2012  >   Velejadora mandou email e desapareceu

Velejadora mandou email e desapareceu

Carolina Borges foi ao ar antes de sair para o mar: velejadora portuguesa avisou hoje de manhã, por email, que não tinha condições para competir depois de ontem ter treinado bem. Agora, ninguém sabe sequer onde ela anda...
|
Velejadora mandou <i>email</i> e desapareceu
Carolina Borges chegou a Londres com vontade de lutar por medalhas e honrar a memória do avô, mas desapareceu ainda antes de entrar em cena
Carolina Borges chegou a Londres com vontade de lutar por medalhas e honrar a memória do avô, mas desapareceu ainda antes de entrar em cena / missaolondres2012.pt

Portugal já começou a ser notícia no centro de imprensa da Aldeia Olímpica mas não pelas melhores razões: intrigada com o cancelamento da inscrição de Carolina Borges, uma jornalista australiana já andava a tentar perceber o que se tinha passado junto da delegação nacional. Foi a primeira, não terá sido a última. Mas saiu a saber tanto como os outros porque a pessoa que tem de ser ouvida para esclarecer tudo, a velejadora portuguesa, está desaparecida.

Clique para aceder ao índice do Dossiê Jogos Olímpicos 2012

A novela começou hoje de manhã: ontem, Carolina Borges treinou-se bem, não apresentou qualquer problema e preparava-se para começar a prova de RS:X quando, do nada, enviou um email para Mário Santos, chefe da Missão portuguesa em Londres, que dizia telegraficamente o seguinte: "Por razões pessoais e médicas, informo que não irei participar na competição". O mesmo email terá sido também enviado à organização da prova. "Tentámos por todos os meios chegar à fala com a atleta mas isso não foi possível. As razões até podem ser justificáveis e ter fundamento mas existem regras a cumprir", explicou Mário Santos.

Por isso, a acreditação da atleta foi cancelada. Mas o certo é que Carolina Borges não deve precisar da mesma - ninguém sabe onde ela anda... O marido, Mark Mendelblatt, que está também a competir em Londres em representação dos Estados Unidos na classe star, encontra-se na água; o telefone tocava e tocava sem qualquer resposta; e do hotel garantem que a velejadora não se encontra e que nem o carro está estacionado por lá.

As especificidades da brasileira naturalizada


Carolina Borges chegou a Londres com vontade de lutar por medalhas e honrar a memória do avô, natural do Porto, mas desapareceu ainda antes do combate. Ao contrário de quase todos os velejadores (João Rodrigues tem casa perto da zona onde se realizam as provas há quatro anos), estava num hotel fora da Aldeia Olímpica com o marido - devidamente autorizada para tal -, por forma a "respeitar as suas especificidades". "Ela vive nos Estados Unidos, treina fora e também tivemos esses pormenores em conta", diz Mário Santos, que se encontrava a caminho de Weymouth e voltou para trás.

Recorde-se que Carolina Borges, nascida no Rio de Janeiro há 33 anos, competiu nos Jogos de 2004, em Atenas, representando o Brasil na classe mistral (25.º lugar) e iria cumpria a segunda participação de sempre de Portugal na classe RS:X depois de Catarina Fagundes (1996). 

No entanto, foi esse ponto que dificultou as tentativas da delegação nacional em encontrar a atleta. "Podia ter feito um contacto, as coisas não podem ser assim...". Onde anda a velejadora? Ninguém sabe. Certo é que as hipóteses de problemas relacionados com outro tipo de questões foram colocados fora de parte. A não ser mesmo a história de ter enviado o email e permanecer incontactável, isto depois de até ter estado presente na cerimónia de abertura.

Que castigo a aplicar?


Para já, Carolina Borges está fora dos Jogos Olímpicos mas as penalizações pela atitude deverão ser mais graves, nomeadamente a hipótese de devolver o dinheiro atribuído pela bolsa de preparação para a prova. Não é muito, deverá corresponder apenas a cerca de três meses de subsídio, mas poderá regressar ao destino.

"Vai haver agora um processo de averiguação e inquérito para se perceber o que se passou, só depois poderemos falar disso", conclui Mário Santos, frisando que "a situação anómala não terá repercussões". 

 


Opinião


Multimédia

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 

Crumble. A sobremesa mais fácil do mundo

Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida, especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.


Comentários 57 Comentar
ordenar por:
mais votados
Pressão da competição.
A eliminação sucessiva dos atletas portugueses nesta competição, faz aumentar a pressão sobre os restantes, e nem todos a conseguem aguentar. É pena porque não há que exigir a nenhum atleta nada além das suas capacidades; a derrota não é razão para humilhação.
Re: Pressão da competição.
Re: Pressão da competição.
Re: Pressão da competição.
Re: Pressão da competição.
Re: Pressão da competição.
Re: Pressão da competição.
Re: Pressão da competição.
Re: Pressão da competição.
Olímpica? rua com ela
e de quem a promoveu.Vigarista.
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela e com Vicente Moura
Re: Olímpica? rua com ela e com Vicente Moura
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Só pode ter sido o Sócrates
Re: Só pode ter sido o Sócrates
Re: Só pode ter sido o Sócrates
Re: Olímpica? rua com ela
Re: Olímpica? rua com ela
Por qualquer razão
Que possa ter com esta atitude perdeu-a, terá de arcar com as consequências.
Viajar à pala!
Espero, ao menos, que seja forçada a devolver o dinheiro da viagem e estadia em Londres!
Re: Viajar à pala!
Hummmm...
Foi de vela...
Re: Hummmm...
Re: Hummmm...
Restante comitiva que aproveite tambem
Provavelmente só seguiu o conselho de Passos Coelho e decidiu procurar a sua oportunidade em Inglaterra.

A restante comitiva não deveria deixar escapar esta oportunidade.
A velejadora teria pedido asilo politico dada a
legislação laboral existente em Portugal.....
PORTUGAL COM AZAR EM TUDO
nos Jogos Olimpicos , na politica, na economia , em tudo.
Triste sina.
Antidepressivo nacional necessita-se urgentemente.
ESTATUTO
Portuguesa?
Re: ESTATUTO
ESTATUTO
Re: ESTATUTO
Re: ESTATUTO
Re: ESTATUTO
Muito estranho
Realmente esta é uma história muito estranha. Posso também especular que a atleta terá fugido com uma nadadora americana lésbica... pelos vistos sei tanto do assunto quanto a delegação nacional! Mas deixemos a crucificação para quando conhecermos as suas razões.
Re: Muito estranho
Re: Muito estranho
Re: Muito estranho
O email dizia...
...eu quero que a vela se f...lixe!
barracadas ...
Em Pekin foi aquele do judo, o Fortes, que se saiu a dizer que "de manhã estava bem na caminha"

Agora é esta que desaparece .....
Re: barracadas ...
Re: barracadas ...
Ehh... vocês também...
O mais importante da "notícia" foi que NENHUM jornalista português em TURISMO em Londres deu pela falta da brasuca aportuguesada á pressão pelo Comité das Múmias.
Quanto à "artista" descobriu-se agora que, de acordo com o intróito da "notícia" que foi ao ar porque tem uma apetência muito grande pelo kitesurf... abandonando assim a prática do windsurf utilizando as novas tecnologias.
Pensamento positivo
Passamos de "só" eliminados a desaparecidos.
Estamos a evoluir.
Re: Velejadora mandou email e desapareceu
Está dito. Depois do fraco desempenho em Pequim a representar o Brasil (25º), os brasileiros cortaram-lhe o pau da vela. Valendo-se da ascendéncia portuguesa (um avô), correu para Portugal e aí está...
Re: Velejadora mandou email e desapareceu
Comentários 57 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub