1
Anterior
O Expresso em Omã
Seguinte
Um Jardim de luxo
Página Inicial   >  Dossiês  >  Dossies Internacional  >  O Expresso em Omã  >   Vai uma "shisha"?

Vai uma "shisha"?

Os malefícios para a saúde e a fúria anti-tabágica de alguns governos podem pôr em causa um dos maiores prazeres do povo árabe.

|

Em muitos locais do mundo árabe, não se convida um amigo para tomar um café, mas antes... para fumar uma "shisha". A acreditar, porém, num dos jornais mais lidos na Península Arábica, o "Gulf News", esse prazer poderá tornar-se cada vez mais raro. Nos últimos anos, vários estudos médicos sobre os malefícios da "shisha" - também conhecida por "narguila" - apontam para um aumento de vários tipos de cancro e de ataques cardíacos entre os seus consumidores.

O Expresso surpreendeu dois jovens omanitas, numa esplanada de Shatti Al-Qurum, nos arredores de Mascate. "Sabemos que faz mal à saúde. Mas isto é como o tabaco: as pessoas sabem que faz mal mas não deixam de fumar", diz um deles, fazendo uma pausa entre duas passas. "Acima de tudo, é muito relaxante", reage o outro. Os omanitas não são dos maiores consumidores de "shisha", mas nos fins-de-tarde de Primavera, com a temperatura a teimar não baixar dos trinta e muitos graus, a "shisha" torna-se inseparável de longas tertúlias ao ar livre.

Das montanhas aos desertos, dos cafés aos areais das praias, a "shisha" faz parte do estilo de vida árabe. Na Síria, chega a integrar o enxoval das noivas. Porém, a cruzada contra o fumo do Presidente Bashar Al-Assad começa a criar dificuldades entre os seus apreciadores. No mês passado, foi aprovada uma lei que proíbe o consumo de "shisha" nos dormitórios da Universidade de Damasco. Qualquer estudante apanhado a fumar sofrerá uma repreensão do reitor e terá de pagar uma multa. Estando em causa os hábitos de jovens, há quem refira que se os impedirem de fumar "shisha", outros vícios se seguirão...


Opinião


Multimédia

Cheesecake com manjericão e doce de tomate

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 1 Comentar
ordenar por:
mais votados
Agora é assim...
O que está a dar é proibir.
Comentários 1 Comentar

Últimas


Edição Diária 17.Abr.2014

Leia no seu telemóvel, tablet e computador
PUBLICIDADE

Pub