Anterior
José Roquette volta a acusar Caixa Geral
Seguinte
A primeira página do Expresso Economia
Página Inicial   >  Economia  >   Universidades não formam informáticos suficientes para a oferta

Universidades não formam informáticos suficientes para a oferta

Pode parecer contraditório num país onde a taxa de desemprego já vai nos 15,4%, mas Portugal parece ter uma lacuna de licenciados em Tecnologias de Informação e Comunicação. Nesta que é uma das áreas mais dinâmicas do país em matéria de recrutamento, já há dificuldade em conseguir dar resposta a todas as ofertas de emprego por falta de profissionais. Clique no link para ler o artigo completo no Expresso Emprego: Universidades não formam informáticos suficientes para as ofertas .






Opinião


Multimédia

Voámos num F-16

Um piloto da Força Aérea voou com uma câmara GoPro do Expresso e temos imagens inéditas e exclusivas para lhe mostrar num trabalho multimédia.

Salada de salmão com sorvete de manga

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Por faróis nunca dantes navegados

São a salvaguarda dos navegantes, a luz que tranquiliza o mar. Há 48 faróis em Portugal continental e nas ilhas. Este é um acontecimento único: todos os faróis e 1830 km de costa disponíveis num mesmo trabalho. Para entendê-los e vê-los, basta navegar neste artigo.

Parecem casulos onde gente hiberna à espera de ver terra

No Porto de Manaus não há barcos, mas autocarros bíblicos que caminham sobre água. Têm vários andares e estão cheios de camas de rede que parecem casulos onde homens, mulheres e crianças aguardam o destino. E há gente a vender o que houver e tiver de ser junto ao Porto. "Como há Copa, tem por aí muito gringo que vem ter com 'nóis'. E então fica mais fácil vender"

O adeus de Lobo Antunes às aulas de medicina

O neurocirurgião deu terça-feira a sua "Última Lição" no auditório do Instituto de Medicina Molecular da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, na véspera de deixar o seu trabalho no serviço nacional de saúde.

Jaguar volta a fabricar desportivo dos anos 60

Até ao verão será fabricado um número limitado de desportivos Jaguar E-Type Lightweight, seguindo todas as especificações originais, incluindo a continuação do número de série das unidades produzidas em 1963.

"Naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas"

Mais do que uma manifestação, o 'primeiro' 1º de Maio é recordado como a grande festa da Revolução dos Cravos, quando o povo saiu às ruas em massa e a união das esquerdas era um sonho possível. "O 1º de Maio seria mais uma primeira coisa, porque naquela altura estavam continuamente a acontecer primeiras coisas." Foi há 40 anos.

Este trabalho não foi visado por qualquer comissão de censura

Aquilo que hoje é uma expressão anacrónica estava em relevo na primeira página do "República", a 25 de Abril de 1974: "Este jornal não foi visado por qualquer comissão de censura". Quarenta anos depois da Revolução, veja os jornais, ouça os sons e compreenda como decorreu o "dia inicial inteiro e limpo", como lhe chamou Sophia. O Expresso falou ainda com cinco gerações de 40 anos e percorreu a "geografia" das Ruas 25 de Abril de todo o país, falando com quem lá mora. Veja a reportagem multimédia.


Comentários 8 Comentar
ordenar por:
mais votados
Afinal há forma de combater o desemprego!
E o Ministério da Educação está a espera de que para formar jovens, que de certeza estão disponíveis?

Com tantos 'especialistas' no Governo a ganharem cerca de 5 mil euros, e ainda nem 30 anos de idade têm, bem os podiam rentabilizar...

Façam-se curso práticos!

Sejam inventivos!

Tenham iniciativa!

Esqueçam as férias!!!
Onde vão buscar esses estudos esquisitos?
Considerando que as empresas de TI estão a descentralizar os serviços, colocando-os no Brasil, Índia, República Checa e outros...onde há assim tanta oferta para informáticos em Portugal?

Mesmo oferecendo uns salários vergonhosos aos recém-licenciados nacionais, continua a ser mais barato colocar a prestação de serviço em "best-shore".

Todos os anos as grandes de TI fazem umas "rescisões amigáveis" para emagrecer os quadros nacionais, que são muito mais caros...e aqui conclui-se que há falta de informáticos?
Estamos a falar de que realidade? A de há 10 anos?
Re: Onde vão buscar esses estudos esquisitos?
O QUE É PRECISO É TER UM DR. OU UM ENGº!
Seja do que for!
Alguns que não precisam de trabalhar podem dar-se a esse luxo!
A maior parte não! Mas como acham que sim, insistem, e depois temos os resultados, para mal dos alunos e do país!
Querem bom e barato esqueçam.
Tanga, querem informaticos mas a ganhar cada vez menos,vale mais ir embora.
Sabemos mais que muita gente nos USA ou na UK isto falando em casos que conheço e depois ganha-se menos hoje que a 10 anos.
Re: Querem bom e barato esqueçam.
Paguem devidamente que engenheiros não faltam !
Trabalho existe é verdade, só que ordenados oferecidos são miseráveis . No Porto há dois cursos públicos no ISEP e FEUP , muitos estão a emigrar de ambos os estabelecimento de ensino , os mais conceiptuados no Norte . Tentam ir para Lisboa, mas o ordenado não cobre despesa de alojamento, transportes, alimentação e vestuário ,portanto entre ir para Lisboa e estrangeiro onde cobre despesas e sobra, a alternativa é partir do país que necessita desta mão de obra qualificada . Custo de vida em Lisboa é superior ao do Porto e na sua zona têm apoio de pais , casa , alimentação etc . Os que não emigram , aceitam trabalho fora da área de formação e ficam no norte onde acabam por ter melhor qualidade de vida , mesmo quando ganham menos ! Ninguém vai para Lisboa e depois tem dificuldades financeiras . Reconheço que ofertas de trabalho existem em maior quantidade do que na região norte , pois há muito que o país devia mudar de nome ! Em vez de Portugal deveria ser Lisboa !Não são as universidades que não formam alunos suficientes ! O erro ou talvez não, está nas empresas que não fazem contas a quem investiu na formação , mas sim à diminuição de custos laborais ! Solução ? Se importarem engenheiros têm de lhes pagar bem tal como acontece nos médicos ! Então porque não o fazem aos Portugueses ?Quem vem de fora é melhor remunerado do que residentes ! Uma questão de lógica ! Será ? Querem solução ? Paguem salários dignos e não faltam engenheiros informáticos ! Até os que emigram ...
Há sempre empregos para informáticos!?
Só se for por causa da alta rotatividade!
Comentários 8 Comentar

Últimas


Pub