Anterior
Deputados europeus portugueses "são bon vivants"
Seguinte
Itália: revista com Amanda Knox na capa oferece facas aos leitores
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  Universidade do Minho: praxes abusivas proibidas por reitor (fotogaleria)

Universidade do Minho: praxes abusivas proibidas por reitor (fotogaleria)

Reitor da Universidade do Minho denunciou e proibiu praxes que comprometam a liberdade e dignidade dos caloiros. Circular distribuída ontem aos alunos marca o início desta medida.
Lusa |

O reitor da Universidade do Minho, António Cunha, proibiu ontem ações abusivas de praxe académica nas instalações da instituição, exortando os alunos a que se "oponham ativamente" a práticas que ponham em causa a "liberdade, respeito e dignidade humana".

Esta medida é tomada depois de terem sido reportadas por alguns pais de alunos na Universidade do Minho "práticas abusivas" durante as primeiras semanas de praxe deste ano letivo.

Na circular distribuída aos alunos da Universidade do Minho, a que a agência Lusa teve acesso, António Cunha afirma que é objetivo essencial da instituição "a criação de um ambiente capaz de proporcionar a educação pessoal, social, intelectual e profissional dos estudantes e de promover uma cidadania ativa e responsável".

A referida circular esclarece que "não são permitidas nos campos ações, habitualmente designadas por praxes académicas, que configurem ofensas à integridade e dignidade humanas" nem "atos que limitem ou dificultem a participação dos novos alunos nas atividades pedagógicas com as quais estão comprometidos".

O reitor refere ainda que "não são permitidas manifestações que, pelo ruído que provocam, perturbem o normal funcionamento das atividades académicas".

Veteranos não respeitam "princípios de liberdade e dignidade"


António Cunha justifica estas medidas com o facto de o funcionamento dos campos da Universidade do Minho continuar a ser perturbado por ações de grupos de estudantes que, por vezes, "infringem os princípios fundamentais de liberdade, dignidade, urbanidade e respeito pelos outros".

Este tipo de acontecimentos, afirma o reitor, "a Universidade não pode consentir" pois tal poderá por em risco "o papel de instituição pública, responsável e plural, comprometida com a educação de todos e com a consecução plena da sua missão de promoção do ensino e da investigação".

A circular avança ainda que a Universidade do Minho condena veementemente todas as situações de violência física ou psicológica, coação, abusos e humilhações.

O responsável máximo da Universidade do Minho exorta assim os "estudantes da Universidade a que pugnem pelos valores da liberdade, do respeito e da dignidade humana, pelo que se deverão opor ativamente a práticas que os ponham em causa, seja nos espaços da Universidade seja no seu exterior".

Associação Académica rejeita as praxes abusivas


Também a Associação Académica da Universidade do Minho (AAUM) já se pronunciou sobre as praxes académicas, afirmando "rejeitar e repudiar métodos que indiciam violações de direitos individuais e, ou, assomos de autoridade".

A AAUM garante que não condescende com ações que "provoquem efeitos colaterais no funcionamento da Instituição" e apelou a que se sigam princípios de razoabilidade, responsabilidade e credibilidade.

Já no decorrer deste ano letivo alguns pais de caloiros da Universidade do Minho se insurgiram contra as humilhações e ofensas que, afirmam, os filhos sofreram durante a praxe.

Sem se querer identificar, nem referir o curso que o filho frequenta, o pai de um caloiro contou à Lusa que o filho foi "enxovalhado". "Ele chegou a casa todo sujo, com arranhões nas mãos e nos braços, por o terem obrigado a rastejar no chão. Vinha chocado com os insultos e com a pressão psicológicas que os alegados doutores exerceram", explicou.

Este pai, embora se diga "chocado", entende que deve ser o filho a decidir se quer ou não participar nestas praxes académicas. No entanto, avisou que "se o magoarem fisicamente ou se souber que não o deixam ir às aulas" irá "apresentar queixa junto das autoridades policiais e académicas".


Veja a fotogaleria:



Opinião


Multimédia

Quase ninguém ficou em casa

Foi num 25 de Abril como o deste sábado, mas há 40 anos e numa liberdade então recentemente tomada: a 25 de Abril de 1975, Portugal testemunhou as primeiras eleições livres e universais após quase meio século de ditadura. Estas são as histórias, os retratos, os apelos e as memórias de um tempo que mudou o rosto do país.

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

26 mil esferográficas, 14 mil urnas e 760 quilos de lacre. Os números de uma eleição histórica

Mais de mil caixas de lacre foram usadas pelas secções de voto que por todo o país, no dia 25 de abril de 1975, recolheram os boletins de milhões de eleitores. O Expresso percorreu os quatro mapas de despesas das eleições para a Assembleia Constituinte, elaborados pelo STAP, para saber quanto dinheiro esteve envolvido, onde e como foi gasto. Cada valor em escudos foi convertido para euros a preços correntes, tendo em conta a inflação. 

Todas as ilhas têm a sua nuvem

Raul Brandão chamou-lhe 'A Ilha Branca'. Como viajante digo que tem um verde diferente das outras oito que com ela formam o arquipélago dos Açores. É tenra, mansa, repousante e simultaneamente desafiante. Esconde segredos como a lenda da Maria Encantada e um vulcão florestado a meio do século passado que nos transporta para uma dimensão sulfurosa e mágica. Obrigatória para projetos de férias de natureza.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.


Comentários 2 Comentar
ordenar por:
mais votados
ridiculo e dispendioso
A praxe não é mais que a tentativa de alguns frustados que perdem tempo a fazer mal a outros para não terem que pensar na m... que eles são.
Não venham os pais dos alunos praxantes dizerem que a vida está mal, porque por aquilo que se vê nas imagens, os filhos não olharam a despesas para atingiram um momento de êxtase. Para estes, o custo de vida deveria ser o dobro. Quantas pessoas a morrerem à fome e eles a brincarem com comida!
A praxe pode e deve existir, mas que seja respeitadora.
O problema maior é que os pais dos praxados não podem intervir muito; caso contrário quem pagará a dobrar serão os seus filhos. Eu não tenho a certeza se conseguiria aguentar sem praxar os praxantes!
Re: Universidade do Minho: praxes abusivas proibid
Achas mesmo que a praxe é assim tão má quanto isso?
Achas que a praxe é só "humilhar" os caloiros, que diz isso é porque nunca foi praxado. Eu fui e sobrevivi, e ainda bem que fui, porque quando se é praxado é em grupo, é onde se fazem as amizades e onde se cria espírito de grupo e entreajuda. mas se achas que não! eu já praxei e já fui praxado, e posso dizer-te que aqueles que me praxaram (humilharam) mais são aqueles que ficam no coração e que ainda hoje considero como amigos, e quando praxei o mesmo sucedeu.será que a praxe é assim tão má! se elas não existirem quem é que tu conheces na escola quando chegas ao ES pela 1ª vez? que é que te diz onde podes tratar dos teus assuntos dentro da instituição? ou vais dizer que são os profs que te dizem isso, quem é que te leva à sala de aula e te mostra as instalações onde irás passar no mínimo 3 anos da tua vida! quem pensa que praxe é só "humilhar" está muito enganado!praxe é camaradagem porque de dia praxas e à noite convives com os caloiros e se virem bem são 3 ou 4 semanas em 3 anos ou mais, será que é muito?
Comentários 2 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub