Anterior
Jovem morre em perseguição policial
Seguinte
Idas ao SNS nos dias de greve só em caso de urgência
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >   União Europeia apoia investigação e cria 210 mil empregos

União Europeia apoia investigação e cria 210 mil empregos

A Comissão Europeia anunciou hoje em Bruxelas um pacote de 8,1 mil milhões de euros de apoio à investigação e à inovação que criará 210 mil empregos na UE a curto prazo.
|
O 7º Programa Quadro para a Investigação já apoiou 19 mil projetos na Europa
O 7º Programa Quadro para a Investigação já apoiou 19 mil projetos na Europa / AFP/Getty Images

A Comissão Europeia anunciou hoje em Bruxelas o maior pacote de sempre de apoio à investigação e inovação na UE. São 8,1 mil milhões de euros que irão criar a curto prazo 210 mil empregos, apoiar projetos para dinamizar o investimento público e privado em 6 mil milhões de euros e, num horizonte de 15 anos, gerar um crescimento económico adicional de 75 mil milhões de euros.

O financiamento - aberto a organizações e empresas de todos os Estados-Membros e países parceiros - representa o grosso do orçamento de 10,8 mil milhões de euros que a UE se propõe dedicar à investigação em 2013.

Este anúncio acontece poucos dias depois de os líderes da UE terem sublinhado a importância da investigação e da inovação no Pacto para o Crescimento e o Emprego.

Os projectos a apoiar, no âmbito do 7º Programa-Quadro (2007-2013), destinam-se a dinamizar a competitividade da Europa e responder a desafios em áreas como a saúde humana e a proteção do ambiente, bem como a encontrar novas soluções para os problemas cada vez mais prementes associados à urbanização e à gestão dos resíduos.

Garantir a competitividade europeia


A comissária europeia responsável pela Investigação, Inovação e Ciência, Máire Geoghegan-Quinn, afirmou na ocasião que "o conhecimento é a moeda da economia mundial e se a Europa quer continuar a ser competitiva no século XXI, temos de apoiar a investigação e a inovação a fim de gerar crescimento e emprego no futuro".

E a concorrência para a obtenção de financiamento da UE "garante que o dinheiro dos contribuintes é aplicado nos projetos mais capazes de dar resposta aos desafios que a todos dizem respeito".

Os convites da Comissão Europeia à apresentação de propostas fazem a ponte com o programa Horizonte 2020, o próximo programa de financiamento à investigação da UE para o período 2014-2020.

No total, são 4,8 mil milhões de euros que irão financiar áreas de investigação prioritárias. Será dada especial atenção às pequenas e médias empresas (PME), que irão beneficiar de um pacote 1,2 mil milhões de euros.

Destino de classe mundial para cientistas


Cerca de 2,7 mil milhões de euros vão ajudar a consolidar o lugar da Europa como destino de classe mundial para os investigadores, essencialmente através de bolsas individuais a conceder pelo Conselho Europeu da Investigação e pelas Ações Marie Curie de apoio à mobilidade e ao desenvolvimento de carreira dos investigadores europeus.

As áreas de investigação prioritárias com caráter inovador no 7º Programa-Quadro incluem: 155 milhões de euros para a iniciativa "Oceanos para o Futuro", destinada a apoiar o crescimento sustentável nos setores marinho e marítimo; 365 milhões de euros para tecnologias de transformação de áreas urbanas em "Cidades e Comunidades Inteligentes"; e 147 milhões de euros para combater o número crescente de bactérias resistentes aos medicamentos.

O 7º Programa-Quadro já financiou 19 mil projetos que envolveram mais de 79 mil participantes (universidades, centros de investigação e empresas) de todos os Estados-Membros da UE. Até 2013 estima-se que tenha apoiado a carreira de 55 mil investigadores.

Portugal deve entrar nos consórcios europeus ganhadores


"Em Portugal há grande capacidade para atrair financiamentos da UE mas existe um problema de desarticulação entre os investimentos nacionais e os investimentos internacionais", afirmou ao Expresso Mario Campolargo, diretor na Direção Geral CONNECT da Comissão Europeia (CE).

"O país não tem capacidade para valorizar os seus investimentos em investigação no cenário europeu, em instituições tão importantes como o Instituto de Telecomunicações, o Instituto Superior Técnico, a Fundação Champalimaud ou o Instituto Gulbenkian de Ciência", acrescentou Mario Campolargo.

O responsável da CE foi um dos oradores da sessão de lançamento em Lisboa, na Representação da Comissão Europeia em Portugal, do novo pacote financeiro de apoio à investigação. A apresentação decorreu em simultâneo em todas as capitais dos 27 países membros da UE.

Campolargo defendeu ainda que os centros de investigação portugueses "devem entrar nos consórcios europeus mais ganhadores", onde aumentam as hipóteses de acesso a este tipo de financiamentos. Para isso, esses centros devem apostar mais na participação em redes de investigação e inovação europeias.

Apostar na investigação com impacto nas empresas


Portugal tem um dilema pela frente: há mais apoios financeiros europeus para a ciência mas a nível interno há restrições orçamentais no setor público e no setor privado por causa da crise, o que limita os montantes da comparticipação nacional em projectos de investigação.

Para o responsável da DG CONNECT, "o segredo para contornar esse problema é focalizar na investigação mais importante e que traz dividendos, isto é, resultados concretos no tecido empresarial e na venda de produtos no mercado".

Na sessão de apresentação em Lisboa falaram também Miguel Seabra, presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia, Eduardo Maldonado, do gabinete de promoção do 7º Programa Quadro, e foram apresentadas duas histórias de sucesso europeias que envolvem centros de investigação portugueses: o projeto SECUREFISH, uma parceria entre o Ipimar e instituições da UE, africanas, asiáticas e da América Latina, que pretende reduzir os desperdícios na indústria pesqueira (50% do peixe capturado perde-se); e o projeto NAIMIT (Instituto Gulbenkian de Ciência), que abrange uma rede académica em 15 países e ambiciona curar a diabetes.

Opinião


Multimédia

Lombinho de porco com broa e batata a murro

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione.

Desaparecidos para sempre no Mar do Norte

O dia 15 de novembro já foi feriado, há 90 anos. A razão foi o desaparecimento de Sacadura Cabral algures no Mar do Norte. Depois de fazer mais de oito mil quilómetros de Lisboa ao Rio de Janeiro, o aviador pioneiro não conseguiu completar o voo entre a cidade holandesa de Amesterdão e a capital portuguesa. Ainda hoje, não se sabe o que aconteceu ao companheiro de Gago Coutinho e tio-avô de Paulo Portas, a quem o Expresso pediu um sms.

Os muros do mundo

Novembro relembrou-nos os muros que caem, mas também os que permanecem e os que se expandem. Berlim aproximou-se de si própria há 25 anos, mas há muros que continuam a desaproximar. Esta é a história de sete deles - diferentes, imprevisíveis, estranhos.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

O papa-medalhas que veio do espaço

O atleta português mais medalhado de sempre, Francisco Vicente, regressou dos campeonatos europeus de veteranos, na Turquia, com novas lembranças ao pescoço. Três de ouro e duas de prata para juntar à coleção. Tem 81 medalhas, uma por cada ano de vida.

Terror religioso está a aumentar

Relatório sobre a Liberdade Religiosa é divulgado esta terça-feira em todo o mundo. Dos 196 países analisados, só em 80 não há indícios de perseguições motivadas pela fé.

Vai pagar mais ou menos IRS? Veja as simulações

Reforma do imposto protege quem tem dependentes a cargo, mas pode penalizar os restantes contribuintes. Função pública e pensionistas vão ter mais dinheiro disponível. Veja simulações para vários casos.

Tem três minutinhos? Vamos explicar-lhe o que muda no orçamento de 350 mil portugueses (e no de muitas empresas)

O novo salário mínimo entrou em vigor. São mais €20 brutos para cerca de 350 mil portugueses (números do Ministério da Segurança Social, porque os sindicatos falam em 500 mil trabalhadores). Mudou o valor, mas também os descontos que as empresas fazem para a Segurança Social. Porque se trata de uma medida que afeta a vida de muitos portugueses, queremos explicar o que se perde e o que se ganha, o que se altera e o que se mantém.

Music fighter: temos Marco Paulo e Bruno Nogueira numa batalha épica

Está preparado para um dos encontros mais improváveis na história da música portuguesa? O humorista Bruno Nogueira e a cantora Manuela Azevedo, dos Clã, pegaram em várias músicas consideradas "pimba" - daquelas que ninguém admite ouvir mas que, no fundo, todos vão dançar assim que começam a tocar - e deram-lhe novos arranjos, num projeto que chegou aos coliseus de Lisboa e do Porto.  "Ninguém, ninguém", de Marco Paulo, tem possivelmente a introdução mais acelerada e frenética do panorama musical português. Mas, no frente-a-frente, quem é o mais rápido? Vai um tira-teimas à antiga?

Dez verdades assustadoras sobre filmes de terror

Este vídeo é como o monstro de "Frankenstein": ganhou vida graças à colagem de partes de alguns dos filmes mais aterrorizantes de sempre. Com uma ratazana mutante e os organizadores do festival de cinema de terror MotelX pelo meio. O Expresso foi à procura das razões que explicam o fascínio pelo terror, com muito sangue (feito de corante alimentar) à mistura. 

A paixão do vinil

Se para muitos o vinil é apenas uma moda que faz parte da cultura do revivalismo vintage, para outros ver o disco girar nunca deixou de ser algo habitual.

Portugal foi herdado, comprado ou conquistado?

Era agosto em Lisboa e, às portas de Alcântara, milhares de homens lutavam por dois reis, participando numa batalha decisiva para os espanhóis e ainda hoje maldita. Aconteceu em agosto de 1580. Mais de 400 anos depois, o Expresso deu-lhe vida, fazendo uma reconstituição do confronto através do recorte e animação digital de uma gravura anónima da época.

O Maradona dos bancos centrais

Dizer que Mario Draghi está a ser uma espécie de Maradona dos bancos centrais pode parecer estranho. Mas não é exagerado. Os jornalistas João Silvestre e Jorge Nascimento Rodrigues explicaram porquê num conjunto de artigos publicado no Expresso em Novembro de 2013 e que venceu em junho deste ano o prémio de jornalismo económico do Santander e da Universidade Nova. O trabalho observa ainda o desempenho de Ben Bernanke no combate à crise, revisita a situação em Portugal e arrisca um ranking dos 25 principais governadores de bancos centrais. Republicamos os artigos num formato especial desenvolvido para a web.

Com Deus na alma e o diabo no corpo

Quem os vê de fora pode pensar que estão possuídos. Eles preferem sublinhar o lado espiritual e terapêutico desta dança - chamam-lhe "krump" e nasceu nos bairros pobres dos Estados Unidos. De Los Angeles para Chelas, em Lisboa, já ajudou a tirar jovens do crime. Ligue o som bem alto e entre com o Expresso no bairro. E faça o teste: veja se consegue ficar quieto.

O Cabo da Roca depois da tragédia que matou casal polaco

Os turistas portugueses e estrangeiros que visitam o Cabo da Roca, em Sintra, continuam a desafiar a vida nas falésias, mesmo depois da tragédia que resultou na morte de um casal polaco, cujos filhos menores estavam também no local. Durante a visita do Expresso, um segurança tentou alertar os turistas para o perigo e refere a morte do casal polaco. O apelo não teve grande efeito. Veja as imagens.

Ó Capitão! meu Capitão! ergue-te e ouve os sinos

Ele foi a nossa ama... desajeitada. Ele foi o professor que nos inspirou no liceu. Ele trouxe alegria, mesmo nas alturas mais difíceis. Ele indicou-nos o caminho na faculdade. Ele ensinou-nos a manter a postura, mas também a quebrar preconceitos. Ele ensinou-nos que a vida é para ser aproveitada a cada instante. Ó capitão, meu capitão, crescemos contigo e vamos ter de envelhecer sem ti. 


Comentários 14 Comentar
ordenar por:
mais votados
Boas noticias da Europa
São boas noticias para Portugal!
Re: Boas noticias da Europa
Re: Boas noticias da Europa
Re: Boas noticias da Europa
Ofereço-me
Para trabalhar no estrangeiro, pois no meu país sugam-me até ao tutano.
Mas que raio de UE é esta que tem vários pesos e medidas, ou sera que Portugal tem o estatuto de ladrão autorizado?
Portugueses!...Mãos à obra!
Veremos quem é que é capaz de candidatar projectos merecedores destes apoios. Espero que haja portugueses com essa capacidade mesmo admitindo que um projecto português tenha que ser de superior qualidade para ter hipóteses.
Re: Portugueses!...Mãos à obra!
E nós?
Pergunta que tem razão de ser: toda esta dinheirama, em princípio, é só para quem sabe. É que em termos domésticos: “ser”, não implica “saber”. Basta ligar a televisão, procurar (não é difícil) um canal em que se esteja a debitar comentário e ficar atento ao texto que passa em baixo ( não vale a pena ouvir o que dizem). Quando aparecer a identificação do falante, 9 em cada 10, é professor universitário.

Não há bicho careta que não dê aulas na Universidade. Numa qualquer, não interessa. Nem interessa a obscura matéria que leciona. O que mostra aos alunos que a facilidade do curso é proporcional à dificuldade em ser professor.

Bem, talvez não esteja a ser justo, porque “estes” professores são um exemplo de como os alunos se “orientarem”. E quando os alunos querem mesmo saber coisas de saber– os mais chatos – enviam-se para o estrangeiro. Aí, se são mesmo bons… não voltam. Para sossego de todos e paz universitária.

Há exceções…

Toda esta conversa, tem uma razão: o apelo que os subsídios sejam por “canudo”. Seria talvez a solução da dívida externa. Por alguma razão temos a geração do “canudo”. E se for preciso fazemos mais. Créditos não nos faltam.
Re: E nós?
Re: E nós?
Re: E nós?
OS MERECEDORES E OS DESMERECEDORES
O CERNE DA QUESTÃO, foi a correcção feita em 1789, na Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, à frase da Declaração de Independência dos EUA de 1776 que afirmava que "os homens nascem livres e iguais". A Revolução Francesa acrescentou "em direitos". E este aditamento que parece à primeira vista restritivo é na realidade muito mais abrangente, pois se da Revolução Americana surgiram o Capitalismo Moderno e as ideias de "empreendedorismo", em que só não é rico quem não trabalha dado sermos todos "iguais", a Revolução Francesa deu origem às Democracias Modernas ao reconhecer as diferenças, e a necessidade de as ultrapassar conferindo a todos os mesmos direitos, quer sejam mais, ou menos "empreendedores": foi a semente da solidariedade e do Estado Social.

A Revolução Neo-Liberal a que assistimos, conduzida pela UE, consiste em INVERTER E RECUSAR a herança da Revolução Francesa. Temos os Estados cumpridores e incumpridores, que tinham a "obrigação" de terem todos atingido o mesmo nível da Alemanha, e temos os cidadãos "empreendedores" e os que não o são.

Uma sociedade baseada na "concorrência e competitividade" em vez da solidariedade só pode resultar na aquilação dos mais fracos, e é essa a GRANDE RUPTURA a que estamos a assistir.

É NECESSÁRIO LUTAR CONTRA A REVOLUÇÃO NEO-LIBERAL, e a única maneira que Portugal tem de o fazer é SAINDO DO EURO E DA UE!!!

210 mil empregos quando só em Portugal há quase um milhão de desempregados? E OS OUTROS???

Re: OS MERECEDORES E OS DESMERECEDORES
Vai voar ... até desaparecer
Estes bilhões vão desaparecer rapidamente sem deixar rasto.
Parece que os governos na Europa passam a inventar os empregos para os cidadãos.
Deixaram a empresas desaparecer e agora vão construir autosestradas ás centenas, aeroportos etc.
Em Ftança governo inventa tacho para professores.
EUROPA INVENTA EMPREGO MAS NÃO PRODUTIVO ALGO QUE SE POSSA TROCAR COM PARCEIROS.

O DESTINO SÓ PODE SER A FALENCIA COM TANTO EMPRESTIMO
Comentários 14 Comentar

Últimas


Pub