Anterior
Jovem morre em perseguição policial
Seguinte
Idas ao SNS nos dias de greve só em caso de urgência
Página Inicial   >  Atualidade / Arquivo   >  União Europeia apoia investigação e cria 210 mil empregos

União Europeia apoia investigação e cria 210 mil empregos

A Comissão Europeia anunciou hoje em Bruxelas um pacote de 8,1 mil milhões de euros de apoio à investigação e à inovação que criará 210 mil empregos na UE a curto prazo.
|
O 7º Programa Quadro para a Investigação já apoiou 19 mil projetos na Europa
O 7º Programa Quadro para a Investigação já apoiou 19 mil projetos na Europa / AFP/Getty Images

A Comissão Europeia anunciou hoje em Bruxelas o maior pacote de sempre de apoio à investigação e inovação na UE. São 8,1 mil milhões de euros que irão criar a curto prazo 210 mil empregos, apoiar projetos para dinamizar o investimento público e privado em 6 mil milhões de euros e, num horizonte de 15 anos, gerar um crescimento económico adicional de 75 mil milhões de euros.

O financiamento - aberto a organizações e empresas de todos os Estados-Membros e países parceiros - representa o grosso do orçamento de 10,8 mil milhões de euros que a UE se propõe dedicar à investigação em 2013.

Este anúncio acontece poucos dias depois de os líderes da UE terem sublinhado a importância da investigação e da inovação no Pacto para o Crescimento e o Emprego.

Os projectos a apoiar, no âmbito do 7º Programa-Quadro (2007-2013), destinam-se a dinamizar a competitividade da Europa e responder a desafios em áreas como a saúde humana e a proteção do ambiente, bem como a encontrar novas soluções para os problemas cada vez mais prementes associados à urbanização e à gestão dos resíduos.

Garantir a competitividade europeia


A comissária europeia responsável pela Investigação, Inovação e Ciência, Máire Geoghegan-Quinn, afirmou na ocasião que "o conhecimento é a moeda da economia mundial e se a Europa quer continuar a ser competitiva no século XXI, temos de apoiar a investigação e a inovação a fim de gerar crescimento e emprego no futuro".

E a concorrência para a obtenção de financiamento da UE "garante que o dinheiro dos contribuintes é aplicado nos projetos mais capazes de dar resposta aos desafios que a todos dizem respeito".

Os convites da Comissão Europeia à apresentação de propostas fazem a ponte com o programa Horizonte 2020, o próximo programa de financiamento à investigação da UE para o período 2014-2020.

No total, são 4,8 mil milhões de euros que irão financiar áreas de investigação prioritárias. Será dada especial atenção às pequenas e médias empresas (PME), que irão beneficiar de um pacote 1,2 mil milhões de euros.

Destino de classe mundial para cientistas


Cerca de 2,7 mil milhões de euros vão ajudar a consolidar o lugar da Europa como destino de classe mundial para os investigadores, essencialmente através de bolsas individuais a conceder pelo Conselho Europeu da Investigação e pelas Ações Marie Curie de apoio à mobilidade e ao desenvolvimento de carreira dos investigadores europeus.

As áreas de investigação prioritárias com caráter inovador no 7º Programa-Quadro incluem: 155 milhões de euros para a iniciativa "Oceanos para o Futuro", destinada a apoiar o crescimento sustentável nos setores marinho e marítimo; 365 milhões de euros para tecnologias de transformação de áreas urbanas em "Cidades e Comunidades Inteligentes"; e 147 milhões de euros para combater o número crescente de bactérias resistentes aos medicamentos.

O 7º Programa-Quadro já financiou 19 mil projetos que envolveram mais de 79 mil participantes (universidades, centros de investigação e empresas) de todos os Estados-Membros da UE. Até 2013 estima-se que tenha apoiado a carreira de 55 mil investigadores.

Portugal deve entrar nos consórcios europeus ganhadores


"Em Portugal há grande capacidade para atrair financiamentos da UE mas existe um problema de desarticulação entre os investimentos nacionais e os investimentos internacionais", afirmou ao Expresso Mario Campolargo, diretor na Direção Geral CONNECT da Comissão Europeia (CE).

"O país não tem capacidade para valorizar os seus investimentos em investigação no cenário europeu, em instituições tão importantes como o Instituto de Telecomunicações, o Instituto Superior Técnico, a Fundação Champalimaud ou o Instituto Gulbenkian de Ciência", acrescentou Mario Campolargo.

O responsável da CE foi um dos oradores da sessão de lançamento em Lisboa, na Representação da Comissão Europeia em Portugal, do novo pacote financeiro de apoio à investigação. A apresentação decorreu em simultâneo em todas as capitais dos 27 países membros da UE.

Campolargo defendeu ainda que os centros de investigação portugueses "devem entrar nos consórcios europeus mais ganhadores", onde aumentam as hipóteses de acesso a este tipo de financiamentos. Para isso, esses centros devem apostar mais na participação em redes de investigação e inovação europeias.

Apostar na investigação com impacto nas empresas


Portugal tem um dilema pela frente: há mais apoios financeiros europeus para a ciência mas a nível interno há restrições orçamentais no setor público e no setor privado por causa da crise, o que limita os montantes da comparticipação nacional em projectos de investigação.

Para o responsável da DG CONNECT, "o segredo para contornar esse problema é focalizar na investigação mais importante e que traz dividendos, isto é, resultados concretos no tecido empresarial e na venda de produtos no mercado".

Na sessão de apresentação em Lisboa falaram também Miguel Seabra, presidente da Fundação para a Ciência e Tecnologia, Eduardo Maldonado, do gabinete de promoção do 7º Programa Quadro, e foram apresentadas duas histórias de sucesso europeias que envolvem centros de investigação portugueses: o projeto SECUREFISH, uma parceria entre o Ipimar e instituições da UE, africanas, asiáticas e da América Latina, que pretende reduzir os desperdícios na indústria pesqueira (50% do peixe capturado perde-se); e o projeto NAIMIT (Instituto Gulbenkian de Ciência), que abrange uma rede académica em 15 países e ambiciona curar a diabetes.

Opinião


Multimédia

Edwin. O rapaz que aprendeu a sonhar

O que Edwin sabia sobre a vida era sobreviver. Na cabeça dele não cabiam sonhos e os dias eram passados à procura de comida para ele e para a mãe e para o irmão. A fome espreitava nos cantos da barraca de palha no Quénia e ele escondia-se dela como podia - chupar as pedras era uma forma de a enganar. Mas a sorte dele mudou porque alguém viu nele outra coisa. E tudo começou numa dança. Agora, os mesmos dedos que agarravam as pedras tocam hoje teclas de um piano Bechstein. E os pés dele já não estão nus mas calçados. Com chuteiras. Primeiro no Benfica, agora no Estoril, o miúdo de 15 anos que fala como gente grande descobriu que tinha um sonho: ser futebolista. Como Drogba.

Em três quartos de hora não se esquece só a idade. "Esquece-se o mundo"

Maria do Céu dá três voltas ao lar sempre que pode. Edviges vai a todos os velórios, faz hidroginástica e sopas de letras. António dá um apoio na Igreja e nos escuteiros. Tudo é uma ajuda para passar os dias quando se tornam todos iguais. No Pinhal Interior Sul, a região mais envelhecida da União Europeia, quase um terço da população tem mais de 65 anos. Os mais velhos ficaram, os mais novos partiram.

Profissão: Sniper

O Expresso foi ver como são selecionados, que armas usam, para que missões estão preparados os snipers da Força de Operações Especiais do Exército. São uma elite dentro da elite. Um pelotão restrito. Anónimo. Treinam diariamente com um único objetivo: eliminar um alvo à primeira, mesmo que esteja a centenas de metros. Humano ou material. Sem dramas morais, dizem.

Xarém com conquilhas

Especialista em pratos de confeção acessível, com ingredientes ao alcance de qualquer pessoa, Tiger escolheu a gastronomia como forma de estar na vida. Veja, confecione, desfrute e impressione com esta nova receita.

O que se passa dentro da cabeça dele

O que leva um tipo a quem iam amputando uma perna a regressar ao sítio onde os ossos se desfizeram, uma e outra vez, e testar os limites do seu corpo? Resposta: a busca pelo salto perfeito, que ele diz existir dentro dele e que ele encontrará mais dia menos dia. É a fé e a confiança que o movem e o levam a pular para lá do que é exigido a um campeão olímpico e mundial que não tem mais nada a provar a ninguém - a não ser a ele próprio. Este é um trabalho que publicámos em agosto de 2014, quando o saltador se preparava para os Europeus e falava das metas que tinha traçado para 2015 e 2016: mostrar que não estava acabado. Sete meses depois, provou-o no Europeu de pista coberta em Praga, onde venceu este fim de semana.

Amadeu, que aprendeu o mundo no campo e tinha o coração na ponta dos dedos

Em Portugal, a dedicação à língua mirandesa tem nome próprio: Amadeu Ferreira, o jurista da CMVM que - quando todos diziam que "era uma loucura impossível" - arranjou tempo para traduzir "Os Lusíadas", a "Mensagem", os quatro Evangelhos da Bíblia e ainda duas aventuras do Asterix para uma língua que pertence a um cantinho do nordeste português e é falada por menos de 15 mil pessoas. No final de 2014 deu ao Expresso aquela que viria a ser a sua última entrevista. Morreu no passado domingo e esta quinta-feira foi lançada a sua biografia, "O fio das lembranças", com quase 800 páginas.

Temos 16 imagens que não explicam o mundo, mas que ajudam a compreendê-lo

O júri do World Press Photo queria dar o prémio maior da edição deste ano (e talvez das edição todas) a uma fotografia com "potencial para se tornar icónica". A primeira imagem desta fotogaleria, por ser "esteticamente poderosa" e "revelar humanidade", é o que o júri procurava. A fotografia de um casal homossexual russo, a grande vencedora, é a primeira de 16 imagens de uma seleção onde há Messi desolado, migrantes em condições indignas no Mediterrâneo, a aflição do ébola, mistérios afins e etc - são os contrastes do mundo.

Vamos falar de sexo. Seis portugueses revelam tudo o que lhes dá prazer na cama

Neste primeiro episódio de uma série que vai durar sete semanas, seis entrevistados falam abertamente sobre aquilo que lhes dá mais satisfação na intimidade. Sexo em grupo, sexo na gravidez, prazer sem orgasmo e melhor sexo após a menopausa são alguns dos temas referidos nos testemunhos desta semana. O psiquiatra Francisco Allen Gomes explica ainda a razão de muitas mulheres fingirem o orgasmo. O Expresso e a SIC falaram com 33 portugueses que deram a cara e o testemunho de como são na cama. Ao longo das próximas sete semanas, contamos-lhe tudo.

Elvis. Gostamos ou não gostamos?

Ele não é consensual, mas é incontornável. Dispunha de penteado majestoso e patilha marota, aparentava olhar matador e pose atrevida. E deixou canções: umas fáceis e outras nem tanto, por vezes previsíveis e às vezes inesperadas, ora gentis ora aceleradas. E ele, Elvis, nasceu em janeiro de 1934 - há precisamente 40 anos, ao oitavo dia. Temos quatro textos sobre o artista: Nicolau Santos, Rui Gustavo, Nicolau Pais e João Cândido da Silva explicam o que apreciam, o que toleram e o que não suportam.

A última viagem do navio indesejado

Construído nos Estaleiros de Viana e pensado para fazer a ligação entre ilhas nos Açores, o Atlântida foi recusado pelo Governo Regional por alegadamente não atingir a velocidade pretendida. Contando com os custos associados à dissolução do contrato, o prejuízo ascendeu a 70 milhões de euros. Foi agora comprado a "preço de saldo", para mudar de nome e ser reconvertido num cruzeiro na Amazónia. Fizemos a última viagem do Atlântida e vamos mostrar-lhe os segredos do navio.

Desfile de vedetas

Saiba tudo sobre os modelos concorrentes ao Carro do Ano 2015/Troféu Essilor Volante de Cristal. Conheça o essencial sobre os 20 automóveis participantes nesta iniciativa, da estética, às características técnicas, do preço ao consumo. A apresentação ficará completa no dia 3 de janeiro.

Tudo o que precisa de saber sobre o ébola. Em dois minutos

Porque é que este está a ser o pior surto da história? Como é que os primeiros sintomas se confundem com os de outras doenças? É possível viajar depois de ter contraído o vírus, sem transmitir a doença? E estamos ou não perto de ter uma vacina? O Expresso procurou as respostas a estas e outras dúvidas sobre o ébola.

Desacelerámos a realidade para observar a euforia da liberdade

Ela, Jacarandá, é algarvia. Ele, Katmandu, é espanhol. São linces e agora experimentam a responsabilidade da liberdade: foram soltos esta terça-feira numa herdade alentejana, próxima de Mértola, eles que saíram de centros de reprodução em cativeiro. Foi inédito: nunca tinha acontecido algo assim em Portugal. Estivemos lá e ensaiámos o slow motion.


Comentários 14 Comentar
ordenar por:
mais votados
Boas noticias da Europa
São boas noticias para Portugal!
Re: Boas noticias da Europa
Re: Boas noticias da Europa
Re: Boas noticias da Europa
Ofereço-me
Para trabalhar no estrangeiro, pois no meu país sugam-me até ao tutano.
Mas que raio de UE é esta que tem vários pesos e medidas, ou sera que Portugal tem o estatuto de ladrão autorizado?
Portugueses!...Mãos à obra!
Veremos quem é que é capaz de candidatar projectos merecedores destes apoios. Espero que haja portugueses com essa capacidade mesmo admitindo que um projecto português tenha que ser de superior qualidade para ter hipóteses.
Re: Portugueses!...Mãos à obra!
E nós?
Pergunta que tem razão de ser: toda esta dinheirama, em princípio, é só para quem sabe. É que em termos domésticos: “ser”, não implica “saber”. Basta ligar a televisão, procurar (não é difícil) um canal em que se esteja a debitar comentário e ficar atento ao texto que passa em baixo ( não vale a pena ouvir o que dizem). Quando aparecer a identificação do falante, 9 em cada 10, é professor universitário.

Não há bicho careta que não dê aulas na Universidade. Numa qualquer, não interessa. Nem interessa a obscura matéria que leciona. O que mostra aos alunos que a facilidade do curso é proporcional à dificuldade em ser professor.

Bem, talvez não esteja a ser justo, porque “estes” professores são um exemplo de como os alunos se “orientarem”. E quando os alunos querem mesmo saber coisas de saber– os mais chatos – enviam-se para o estrangeiro. Aí, se são mesmo bons… não voltam. Para sossego de todos e paz universitária.

Há exceções…

Toda esta conversa, tem uma razão: o apelo que os subsídios sejam por “canudo”. Seria talvez a solução da dívida externa. Por alguma razão temos a geração do “canudo”. E se for preciso fazemos mais. Créditos não nos faltam.
Re: E nós?
Re: E nós?
Re: E nós?
OS MERECEDORES E OS DESMERECEDORES
O CERNE DA QUESTÃO, foi a correcção feita em 1789, na Declaração Universal dos Direitos do Homem e do Cidadão, à frase da Declaração de Independência dos EUA de 1776 que afirmava que "os homens nascem livres e iguais". A Revolução Francesa acrescentou "em direitos". E este aditamento que parece à primeira vista restritivo é na realidade muito mais abrangente, pois se da Revolução Americana surgiram o Capitalismo Moderno e as ideias de "empreendedorismo", em que só não é rico quem não trabalha dado sermos todos "iguais", a Revolução Francesa deu origem às Democracias Modernas ao reconhecer as diferenças, e a necessidade de as ultrapassar conferindo a todos os mesmos direitos, quer sejam mais, ou menos "empreendedores": foi a semente da solidariedade e do Estado Social.

A Revolução Neo-Liberal a que assistimos, conduzida pela UE, consiste em INVERTER E RECUSAR a herança da Revolução Francesa. Temos os Estados cumpridores e incumpridores, que tinham a "obrigação" de terem todos atingido o mesmo nível da Alemanha, e temos os cidadãos "empreendedores" e os que não o são.

Uma sociedade baseada na "concorrência e competitividade" em vez da solidariedade só pode resultar na aquilação dos mais fracos, e é essa a GRANDE RUPTURA a que estamos a assistir.

É NECESSÁRIO LUTAR CONTRA A REVOLUÇÃO NEO-LIBERAL, e a única maneira que Portugal tem de o fazer é SAINDO DO EURO E DA UE!!!

210 mil empregos quando só em Portugal há quase um milhão de desempregados? E OS OUTROS???

Re: OS MERECEDORES E OS DESMERECEDORES
Vai voar ... até desaparecer
Estes bilhões vão desaparecer rapidamente sem deixar rasto.
Parece que os governos na Europa passam a inventar os empregos para os cidadãos.
Deixaram a empresas desaparecer e agora vão construir autosestradas ás centenas, aeroportos etc.
Em Ftança governo inventa tacho para professores.
EUROPA INVENTA EMPREGO MAS NÃO PRODUTIVO ALGO QUE SE POSSA TROCAR COM PARCEIROS.

O DESTINO SÓ PODE SER A FALENCIA COM TANTO EMPRESTIMO
Comentários 14 Comentar

Últimas

Receba a nova Newsletter
Ver Exemplo

Pub